Policiais Afastados

PRF afasta envolvidos na ação que matou Genivaldo no Sergipe

Na nota, a PRF ressaltou o “compromisso com a transparência e isenção”.

PRF afasta envolvidos na ação que matou Genivaldo no Sergipe
A população de Umbaúba pede justiça por Genivaldo (Crédito: Reprodução/Twitter)

No começo da noite desta quinta-feira (26), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou o afastamento dos policiais envolvidos na abordagem realizada na tarde de quarta (25), que resultou na morte de Genivaldo de Jesus Santos, de 38 anos, na cidade Umbaúba, no Sergipe.

Publicidade

Em nota, a PRF disse que “está comprometida com a apuração inequívoca das circunstâncias relativas à ocorrência no estado, colaborando com as autoridades responsáveis pela investigação”, e completou dizendo que “reforça o compromisso com a transparência e isenção”.

Com pedidos de “justiça” feitos pela população presente, Genivaldo foi sepultado na manhã desta quinta-feira (26). O sobrinho de Genivaldo, Wallison de Jesus, viu toda a ação dos agentes e descreveu a cena em entrevista ao g1:

“Eu estava próximo e vi tudo. Informei aos agentes que o meu tio tinha transtorno mental. Eles pediram para que ele levantasse as mãos e encontraram no bolso dele várias cartelas de medicamentos. Meu tio ficou nervoso e perguntou o que tinha feito. Eu pedi que ele se acalmasse e que me ouvisse.”

Wallison conta que, mesmo com a tentativa de diálogo, os policiais utilizaram o spray de pimenta e colocaram Genivaldo dentro do porta-malas:

Publicidade

“Eles jogaram um tipo de gás dentro do porta-malas da viatura, foram para a delegacia, mas meu tio estava desacordado. Diante disso, os policiais levaram ele para o hospital, mas já era tarde.”

A viúva de Genivaldo, Maria Fabiana dos Santos, também demonstrou sua indignação ao comentar o caso:

“Eu vivo com ele há 17 anos, ele tem 20 anos que tem o problema dele. Nunca agrediu ninguém, nunca fez nada de errado. Sempre fazendo as coisas pelo certo. E num momento desses pegaram ele e fizeram o que fizeram.”

Publicidade

A família já abriu Boletim de Ocorrência do caso na Polícia Civil, que já ouviu testemunhas presentes durante a abordagem. As investigações seguem e serão feitas pela Polícia Federal. A PRF, juntamente com a PF, anunciou que não divulgará o nome dos envolvidos.

 

Publicidade