UM DIA DEPOIS

Quem é o dono do Porsche, que se entregou à polícia após matar homem em acidente?

Ele será julgado por homicídio culposo (sem intenção de matar), lesão corporal culposa na direção de veículo automotor e fuga do local do acidente

Fernando Sastre de Andrade Filho, 24 anos e dono de um Porsche, se entregou ao 30º Distrito Policial - Tatuapé nesta segunda-feira (1º) após, na madrugada de domingo, envolver-se em um acidente no qual seu carro de luxo colidiu com um Renault Sandero, matando o motorista de aplicativo de 52 anos Orlando da Silva Viana.
Fernando de Andrade se entregou ao DP do Tatuapé – Créditos: William Santos/TV Globo

Fernando Sastre de Andrade Filho, 24 anos e dono de um Porsche, se entregou ao 30º Distrito Policial – Tatuapé nesta segunda-feira (1º) após, na madrugada de domingo, envolver-se em um acidente no qual seu carro de luxo colidiu com um Renault Sandero, matando o motorista de aplicativo de 52 anos Orlando da Silva Viana.

Publicidade

O acidente ocorreu na Avenida Salim Farah Maluf, na zona leste de São Paulo. Segundo testemunhas, o Porsche trafegava muito acima da velocidade máxima permitida na via, de 50 km/h, na hora do choque.

De acordo com o Boletim de Ocorrência, Orlando foi direcionado ao Hospital Municipal do Tatuapé com uma parada cardiorrespiratória, porém, não resistiu aos ferimentos. O passageiro do Porsche, amigo de Fernando, também foi internado.

A mãe do motorista, Daniela Cristina de Medeiros Andrade, compareceu ao local e disse aos agentes que levaria seu filho para um hospital na zona sul, a fim de tratar um ferimento na boca do rapaz.

Publicidade

Entretanto, quando os policiais foram ao estabelecimento para coletar o depoimento, os funcionários revelaram que ele nunca deu entrada no hospital. Posteriormente, eles tentaram contato por meio dos telefones de Fernando e Daniela, sem sucesso. O dono do Porsche foi então considerado como foragido.

Ele será julgado por homicídio culposo (sem intenção de matar), lesão corporal culposa na direção de veículo automotor e fuga do local do acidente. A Polícia Militar ainda vai apurar os motivos da liberação de Fernando pelos agentes.

Ao g1, o porta-voz da PM de São Paulo, coronel Emerson Massera, afirmou que, no momento, Fernando era considerado como “vítima”. “Vamos analisar se houve alguma falha no procedimento operacional”, disse.

Publicidade

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber grátis o Menu Executivo Perfil Brasil, com todo conteúdo, análises e a cobertura mais completa.

Grátis em sua caixa de entrada. Pode cancelar quando quiser.