Vereadora de Niterói diz ter sofrido intolerância e transfobia

Benny Briollly foi vaiada ao sugerir que Maria Malumbo, entidade de matriz africana, fosse figura protetora de Niterói

vereadora-de-niteroi-diz-ter-sofrido-intolerancia-e-transfobia
Vereadora Benny Briolly (PSOL) (Crédito: Reprodução / Instagram @bennybriolly)

A vereadora Benny Briolly (PSOL), relatou que sofreu intolerância e transfobia durante a apresentação de um projeto de lei na Câmara de Niterói, na Região Metropolitana do Rio. Nesta semana a vereadora apresentou um projeto de para a criação do dia municipal de Maria Mulambo.

Publicidade

A proposta foi apresentada no dia 21 de fevereiro. Maria Mulambo é uma entidade religiosa de matriz africana. Ela é tratada como uma figura de proteção e uma orixá da comunicação e da abertura de caminhos. Briolly, sugeriu que a figura fosse protetora da cidade de Niterói, mas durante sua apresentação foi vaiada e então, se dirigiu às tribunas da Câmara e pediu respeito.

Durante o discurso da vereadora houve confusões e discussões entre evangélicos e representantes de religiões de matriz africano. Um homem chegou a dizer “Xô Satanás” e “Jesus Cristo é o Senhor de Niterói.” A vereadora afirmou nas redes sociais “Minha política é a política do axé e do afeto.”

No plenário, o vereador Douglas Gomes afirmou que estava “repreendendo” os pedidos de Briolly para que a entidade visitasse os gabinetes dos parlamentares da Câmara. “No meu gabinete, é salmo 33-12: ‘Feliz é a nação cujo Deus é o Senhor’. O Senhor no meu gabinete tem nome e sobrenome: Jesus Cristo”

A sessão foi suspensa após as manifestações de Douglas e de Benny Briolly. Douglas, relatou no Twitter o ocorrido e Benny Briolly também postou textos em suas redes sociais.

Publicidade