preço do diesel

Vitória do bem contra a ganância, diz Bolsonaro após decisão de Mendonça sobre ICMS

Bolsonaro também falou sobre possíveis mudanças no comando da Petrobras e voltou a criticar o lucro da empresa.

vitoria-do-bem-contra-a-ganancia-diz-bolsonaro-apos-decisao-de-mendonca-sobre-icms
Jair Bolsonaro (Crédito: Nilson Bastian /Câmara dos Deputados)

O presidente Jair Bolsonaro (PL) comemorou na noite de sexta-feira (13) a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), André Mendonça, de derrubar as alíquotas de ICMS que cada Estado cobra sobre o diesel. A comemoração de Bolsonaro ocorreu durante a Convenção Nacional do Comércio Lojista, realizada em Campos de Jordão (SP).

Publicidade

“Essa vitória de hoje, a vitória do bem contra a ganância ajuda todos nós”, declarou o presidente.

Publicidade

“Ajuizamos uma ação no STF, e lá tenho dois ministros indicados por mim, e papai do céu nos ajudou. Hoje de manhã a ação caiu com o ministro André Mendonça, e ele deferiu a liminar, de modo que o ICMS do diesel tem que ser uniforme em todo o Brasil, não vai existir mais cada estado ter um percentual”, acrescentou Bolsonaro.

A decisão de Mendonça é uma vitória para o Planalto, já que o governo espera conter as altas dos preços do diesel. A escalada dos combustíveis sustentam a inflação e atrapalham o plano de reeleição de Bolsonaro.

Bolsonaro comenta os lucros da Petrobras

Jair Bolsonaro também falou sobre possíveis mudanças no comando da Petrobras e voltou a criticar o lucro da empresa.

Publicidade

“Espero, com as mudanças que fiz nos últimos dias no Ministério de Minas e Energia, que nós consigamos mexer com a Petrobras, fazer com que ela cumpra um dispositivo constitucional que fala do fim social da empresa”, afirmou.

“Não podemos ter uma empresa que tem um lucro acima de 30%, enquanto nas maiores petrolíferas do mundo o lucro é no máximo de 15%. Essas petrolíferas abriram mão de lucro para ajudar os seus países. A Petrobras não pode continuar sendo indiferente a tudo isso”, prosseguiu.

“A Petrobras tem que entender que, se o Brasil quebrar, ela quebra também. Estamos no mesmo barco.”

Publicidade

 

 

Publicidade