Polônia diz que vai colocar jatos à disposição dos Estados Unidos

A Polônia pede também aos EUA que forneçam jatos e que eles sejam destinados aos ucranianos.

(Crédito: Lee O. Tucker/Força Aérea dos EUA via Getty Images)

O governo da Polônia disse nesta terça-feira (8) que está pronto para colocar todos os jatos do modelo MIG-29 à disposição dos Estados Unidos. A informação foi publicada pelo jornal britânico The Guardian. 

Publicidade

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores polonês, o país pode mobilizar as aeronaves para que fiquem de prontidão na Base Aérea de Ramstein, na Alemanha, que serve como sede para a Força Aérea americana na Europa e também da OTAN, aliança militar do ocidente. 

A Polônia ainda disse que está pedindo aos EUA que também forneçam jatos e que eles sejam destinados aos ucranianos. 

Parlamentares americanos pressionaram o governo do presidente Joe Biden na segunda-feira (7) para facilitar a transferência de aviões de combate da Polônia e outros países da OTAN para a Ucrânia. Isso depois que o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, fez um apelo para receber mais ajuda, segundo a agência Reuters. 

Do lado americano, o Departamento de Defesa dos EUA rejeitou a ideia e disse que a perspectiva de jatos serem entregues à Ucrânia levanta sérias preocupações para toda a aliança da OTAN, noticiou o Guardian. 

Publicidade

Até o momento, os países têm fornecido armas e munição aos ucranianos.

Entenda a invasão da Rússia na Ucrânia

O presidente Vladimir Putin ordenou uma invasão na Ucrânia, na quinta-feira (24). Desde então, o exército russo faz ofensivas por terra, ar e mar contra pontos estratégicos ucranianos, incluindo a capital Kiev e Kharkiv, segunda maior cidade do país. 

Publicidade

Militares russos também conquistam terreno no sul da Ucrânia. Pelo menos uma cidade portuária, Kherson, já foi tomada por eles. 

Um dos fatores que desencadeou o conflito foi a possibilidade da Ucrânia entrar na OTAN, aliança militar do Ocidente. Uma das demandas da Rússia nas negociações sobre a guerra é que a Ucrânia se comprometa a nunca entrar na OTAN e na União Europeia. Moscou também exige que Kiev reconheça a independência das regiões separatistas de Donetsk e Luhansk, no leste ucraniano, e que a Crimeia faz parte da Rússia.

Putin argumenta que está realizando uma “operação especial” para proteger os russos que vivem em território ucraniano. Ao mesmo tempo, Putin também diz que a Ucrânia está sob controle estrangeiro e que não merece ser um país independente.

Publicidade