Escalada do preços

Governo corta imposto de importação sobre 11 produtos

A medida é uma tentativa de amenizar a pressão inflacionária sobre os alimentos.

governo-corta-imposto-de-importacao-sobre-11-produtos
A ideia é que a redução de imposto torne a compra desses produtos vindos do exterior mais barata (Crédito: Canva Fotos)

O governo federal anunciou, nesta quarta-feira (11), a redução do imposto de importação sobre 11 produtos. As novas alíquotas entram em vigor amanhã (12) e valem até 31 de dezembro. A estratégia visa combater a alta da inflação no país.

Publicidade

O governo também adotou outras medidas na área. Em novembro, ao implementar sem o apoio do Mercosul um corte de 10% da alíquota para um grupo de produtos que engloba 87% do universo tarifário do país, o governo disse que havia urgência para lidar com a alta de preços.

Segundo o IBGE, no ano, o IPCA acumula alta de 4,29% e, nos últimos 12 meses, de 12,13%, acima dos 11,30% observados nos 12 meses imediatamente anteriores.

O subsecretário de Inteligência e Estatísticas de Comércio da Secretaria de Comércio Exterior, Herlon Alves Brandão, espera que a medida tenha impacto de até R$ 700 milhões na arrecadação federal com tributos. Entretanto, Herlon alerta que o valor do montante vai depender do volume de importações da taxa de câmbio.

Confira os 11 produtos que terão imposto de importação reduzido:

Publicidade
  • Pedaços e miudezas de frango congelados : de 9% para 0%
  • Bolachas e biscoitos: de 16,2% para 0%
  • Trigo e misturas de trigo com centeio: de 9% para 0%
  • Milho em grãos: de 7,2% para 0%
  • Farinha de trigo: de 10,8% para 0%
  • Carnes desossadas de bovino congeladas: de 10,8% para 0%
  • Outros produtos de padaria, pastelaria e indústria de biscoitos: de 16,2% para 0%
  • Ácido sulfúrico: de 3,6% para 0%
  • Mancozeb técnico (fungicida): de 12,6% para 4%
  • Fio-máquina de ferro ou aço não ligado, dentados, com nervuras, sulcos ou relevos: de 10,8% para 4%
  • Barras de ferro ou aço não ligado, a quente, dentadas, com nervuras, sulcos ou relevo: de 10,8% para 4%

Publicidade