Assessor mais próximo e mais antigo do príncipe Charles renuncia

Assessor mais próximo e o mais antigo do príncipe Charles, Michael Fawcett, pediu renúncia de seu cargo como chefe na The Prince’s Foundation.

Assessor mais próximo e mais antigo do príncipe Charles renuncia
(Créditos: Andrew Parsons / Nº 10 Downing Street)

Assessor mais próximo e o mais antigo do príncipe Charles, Michael Fawcett, pediu renúncia de seu cargo como chefe na The Prince’s Foundation em meio a um suposto escândalo ‘cash-for-Honours’ (na tradução, dinheiro por honras), comunicou nesta sexta-feira (12) a instituição de caridade ligada à família real inglesa.

Publicidade

Fawcett, que serviu anteriormente como valete do príncipe, deixou o cargo de chefe executivo por sua própria vontade no início de setembro, depois de acusações de que havia usado seu cargo e influência para ajudar a garantir um título honorário e cidadania britânica para um empresário saudita em troca de doações.

A Prince ‘s Foundation deu início a um inquérito sobre as alegações. Charles negou ter conhecimento da suposta oferta de honras em troca de doações, junto a um representante da Clarence House relatando à CNN que o príncipe apoiava totalmente a investigação realizada pela instituição de caridade.

Ao jornal britânico Daily Mail, um amigo de Fawcett disse, sobre sua saída da instituição: “Michael renunciou e nunca mais voltará. Ele perdeu cinco quilos e é uma sombra do que era antigamente.”

Fawcett foi acusado de usar seu cargo e sua influência para ajudar o empresário saudita Mahfouz Marie Mubarak bin Mahfouz a conseguir o título de Comandante Honorário da Ordem do Império Britânico (CBE), segundo o jornal Sunday Times.

Publicidade

Segundo o Sunday, Mahfouz fez grandes doações em dinheiro para projetos de reforma que eram do interesse do príncipe de Gales em troca de apoio para conseguir o título honorário, conferido pela rainha Elizabeth em 2016.

 O jornal aponta que Fawcett deixou o papel de valete em 2003, mas continuou como freelancer para a realeza – coordenou o processo de inscrição do saudita. 

O Sunday Times informou ainda que Mahfouz – que negou qualquer delito -, para reforçar seu pedido de cidadania britânica, procurava diversos cargos honorários por meio do ‘golden visa’, programa de investimento.

Publicidade

A CNN diz ter procurado Mahfouz para falar sobre suas acusações, assim como tentou manter contato com Fawcett por meio da Prince ‘s Foundation, mas não obteve retorno.

A Prince ‘s Foundation é uma organização guarda-chuva para vários projetos de caridade, sediada na propriedade histórica de Dumfries House, na Escócia, também usada como um centro de educação e treinamento.

De acordo com a agência de notícias PA-Média, Fawcett era diretor-executivo da instituição de caridade desde 2018. A Prince ‘s é separada do escritório principal do príncipe Charles, em Clarence House.

Publicidade

Fawcett, a quem o príncipe de Gales considerava “indispensável”, se juntou ao serviço real em 1981 como criado da rainha Elizabeth II. Conseguiu uma promoção rapidamente, antes de ser nomeado manobrista assistente de Charles.

“- A polícia vai agir? Met se baseou em evidências que Fawcett vendeu nobreza por meses

– O que Charles sabia? Ele se encontrou várias vezes com doador saudita + escreveu ao polêmico oligarca russo

Publicidade

– Onde está o dinheiro? Centenas de milhares de doações se foram

– Os outros envolvidos irão desistir”?