Conflito China x Taiwan

A frontalidade da nova diplomacia chinesa

*Por Gustavo Ng – Editor da revista DangDai (de Pequim).

A frontalidade da nova diplomacia chinesa
(Crédito: Feng Li/Getty Images)

Antes da visita da presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, a Taiwan, a China levantou a voz. A resposta militar e econômica é forte e está no tom de uma nova linha que surgiu dentro da diplomacia do país oriental, que neste incidente passou de marginal a ocupar o centro da estratégia.

Publicidade

Mao falou a dureza comunista para outros países. No entanto, ele aceitou a proposta de reaproximação com os Estados Unidos desenhada por Henry Kissinger no início da década de 1970. Uma década depois, o novo líder da República Popular, Peng Xiaoping, levou a China a uma “abertura e reforma” baseada em bons princípios. relações, especialmente com os Estados Unidos. A China entrou no jogo global com moderação e respeito. Era a estratégia de, nas palavras de Deng, “esconder nossas capacidades, manter um perfil baixo, nunca reivindicar liderança e esperar nosso tempo”.

Toda vez que ela era questionada, China se refugiava em seu centro e se agarrava ao silêncio. Parecia que em seu pragmatismo, ela suportava qualquer coisa para participar do capitalismo global. Em suas respostas a ataques inaceitáveis, ela mostrou que não entendia o paradigma ocidental de comunicação, como a lei de notícias que estabelece que quem ataca primeiro diz a verdade e, além disso, não tinha recursos de comunicação: a mídia ocidental era contra ela e a mídia chinesa não chegaria ao público deste lado do mundo.

Essa modalidade incorporou uma linha divergente, caracterizada pelo confronto, a partir da presidência de Xi Jinping, que lidera a instalação da China em lugar de destaque no mundo. Com o que chamou de “Major Country Diplomacy”, o líder desdobrou a narrativa de uma China que foi humilhada por mais de um século e meio, se libertou em 1949 e agora está ressurgindo para reocupar o protagonismo que teve na história dá a humanidade.

Quando o tempo de abaixar a cabeça estava chegando ao fim, apareceu Donald Trump, que provocou a nova tendência diplomática com sua arrogância desdenhosa. Nos Estados Unidos chamam de “diplomacia do Lobo Guerreiro” (em homenagem a um filme chinês de Rambo) A continuação da política contra a China realizada por Biden intensifica a linha incisiva, reativa e agressiva do gigante asiático em suas relações exteriores.

Publicidade

Essa diplomacia frontal tem referências, como os porta-vozes do Chancelaria Zhao Lijan, um homem, e Hua Chunying, uma mulher. Sua tática é postar respostas e mensagens no Twitter, mostrando um bom domínio dos códigos de comunicação ocidentais. Um exemplo das publicações de Zhao Lijan é um gráfico que pergunta como a democracia é representada no Congresso dos Estados Unidos, e se responde que mais de 50% dos deputados são milionários, enquanto no total da população não ultrapassam 4%, que brancos os homens representam 59% dos legisladores, enquanto os Estados Unidos são 30%, etc. Em outra postagem, ele disse que os EUA estão sofrendo de “ansiedade de substituição” diante da “ascensão imparável da China”. Em outro, ele relata que “de todas as crianças entre cinco e 14 anos mortas com armas de fogo nos países desenvolvidos, 92% eram americanas”.

Também se dedicou à América Latina. Em um tweet, ele mostra um vídeo recente da chefe do Comando Sul dos Estados Unidos, Laura Richardson, apontando que “a forma como a América Latina é chamada…parece estar elaborando um esquema para enriquecer Washington. Ele cita o diplomata chileno Jorge Heine: “Quando membros do gabinete dos Estados Unidos visitam a América Latina, só falam da China. Quando membros do gabinete chinês visitam a América Latina, tudo o que falam é comércio e investimento.”

Enquanto isso, Hua Chunying fala de “quantas tragédias humanitárias os Estados Unidos e outros países da OTAN criaram na Iugoslávia, Iraque, Líbia, Síria e Afeganistão” para se perguntar: “Eles examinaram sua consciência? Eles talvez sentissem uma ponta de culpa pelas graves consequências e catástrofes que causaram? Eles já pediram desculpas às vítimas nesses países?”

Publicidade

Em outro tweet, ele acusa que “nativos americanos mortos por genocídio, vidas afro-americanas perdidas no massacre de Tulsa, pessoas como George Floyd que não conseguem respirar e asiático-americanos sofrendo de ódio anti-asiático…estes são fatos documentados e questões reais em que os EUA deveriam estar trabalhando”. Em outro, ele opina que “o verdadeiro objetivo da estratégia Indo-Pacífico dos EUA é estabelecer uma versão Indo-Pacífico da OTAN”.

O intelectual Zhang Weiwei destaca que “a China sempre foi olhada e criticada. Agora não aguentam mais a China de olho neles.” Além de porta-vozes do chancelaria e de outros diplomatas, a tendência tem como plataforma escrita o The Global Times, com versão em inglês.

A visita mal-humorada de Pelosi a Taiwan foi o palco em que essa diplomacia frontal ganhou o centro das atenções na atitude em relação ao Ocidente. Ele foi usado pelo ministro das Relações Exteriores, Wang Yi, estabeleceu uma tendência na mídia (o canal de televisão oficial CGTN publicou um longo relatório sobre violações de direitos humanos cometidas pelos Estados Unidos), e até o presidente Xi Jinping fez uma declaração dura em sua conversa de duas horas com seu colega americano, alertando-o de que “quem brinca com fogo, se queima”.

Publicidade

O modo intransigente coexiste com o anterior, apaziguado e passivo. O ex-diplomata Fu Ying pediu que a diplomacia mantenha um “espírito de humildade e tolerância, aderindo à calma, aprendizado e abertura”. Enquanto o incidente de Pelosi acendeu a diplomacia radical, a tendência central continua sendo conservadora. O presidente, como convém a um líder chinês, administra as diferentes forças, mesmo as opostas, para alcançar a harmonia.

No entanto, nada indica que a nova força não continue a ganhar terreno, à medida que a China cresce, e tendo em conta o seu reforço de recursos para cortar qualquer relação no momento que considere conveniente.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

Publicidade

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.