Crise

Após protestos, Equador anuncia redução no preço dos combustíveis

Os protestos no país geraram a queda pela metade da produção de petróleo nacional.

Após protestos, Equador anuncia redução no preço dos combustíveis
O presidente equatoriano, Guillermo Lasso (foto), enfrenta pressão nas ruas e no Congresso de seu país (Crédito: Anna Moneymaker/Getty Images)

Neste domingo (26), o presidente do Equador, Guillermo Lasso, anunciou que reduzirá o preço dos combustíveis no país. Pressionado pela onda de protestos que começaram no dia 13 de junho, Lasso informou a redução de 10 centavos de dólar no galão de gasolina e de diesel.

Publicidade

Em outubro do ano passado, Lasso congelou os preços da gasolina e do diesel em US$ 2,55 e US$ 1,90, respectivamente. Com a nova medida, o preço dos combustíveis no Equador passará a ser de US$ 2,45 por galão de gasolina e US$ 1,80 por galão de diesel.

Os protestos no Equador geraram a queda pela metade da produção de petróleo do país. Através de bloqueios nas estradas, atos de vandalismo e tomadas de poços de petróleo, os manifestantes conseguiram diminuir a receita do Estado em US$ 120 milhões.

Ao mesmo tempo, o Congresso do Equador analisa um pedido de impeachment contra o presidente Guilherme Lasso. Os 137 parlamentares decidirão, em no máximo 72h, o futuro do chefe do executivo. São necessários 92 votos para que o pedido de impeachment seja aprovado.

Classificados por Lasso como “tentativas de anarquia”, os protestos comandados por representantes indígenas já deixaram, até o momento, ao menos 6 mortos e vários feridos no país.

Publicidade

Publicidade