Alta dos Preços

Pelo menos 4 pessoas morreram em protestos no Equador

As autoridades equatorianas dizem que 117 policiais ficaram feridos em confrontos com manifestantes.

Pelo menos 4 pessoas morreram em protestos no Equador
O Equador exporta petróleo, porém importa combustíveis (Crédito: Jorge Ivan Castaneira Jaramillo/Getty Images)

Segundo declaração do ministro do Interior do Equador, Patricio Carrillo, os protestos que acontecem no país já deixaram ao menos 4 mortos. A declaração foi dada a jornalistas locais na última quinta-feira (23), durante uma visita a um hospital em Quito.

Publicidade

Patricio Carrillo classifica as mortes como “danos colaterais” e defendeu as ações repressivas da polícia durante os protestos indígenas que já duram 12 dias.

“Lamentamos todos os danos colaterais. A Polícia Nacional é uma instituição que protege os direitos, não agride, mas tem que defender também as liberdades dos restantes”, afirmou Carrillo.

As autoridades equatorianas dizem que 117 policiais ficaram feridos em confrontos com manifestantes.

Diante dos protestos contra a alta do preço dos combustíveis, o presidente do Equador, Guilherme Lasso, decretou estado de exceção. Em pouco mais de um ano, o preço do galão de diesel subiu 90% e o da gasolina 46%.

Publicidade

Além de pedir a queda do preço dos combustíveis, os indígenas também pedem maior controle nos preços sobre produtos agrícolas, mais emprego, menos mineração em seus territórios e mais investimentos em saúde, segurança e educação.

 

Publicidade