Bens de Abramovich, dono do Chelsea, são bloqueados pelo Reino Unido

Sendo assim, a venda de novos ingressos e mercadorias do time, bem como as negociações de jogadores, também ficam suspensas

Bens de Abramovich, dono do Chelsea, é bloqueado pelo Reino Unido
O governo britânico disse que o Chelsea poderá continuar jogando e quem já tem os ingressos poderá ir aos jogos (Créditos: Paul Gilham/Getty Images)

Roman Abramovich, dono do time inglês de futebol Chelsea FC, teve seus ativos congelados pelo Reino Unido, nesta quinta-feira (10), devido a conexão dele com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, além de sanções a seis outros oligarcas russos.

Publicidade

No começo deste mês, Abramovich tinha colocado o clube inglês à venda e disse que o lucro seria revertido para as vítimas da guerra na Ucrânia. O bloqueio dos bens anunciado hoje impede essa venda.

Sendo assim, a venda de novos ingressos e mercadorias do time, bem como as negociações de jogadores, também ficam suspensas. Porém, o governo britânico disse que o Chelsea poderá continuar jogando e quem já tem os ingressos poderá ir aos jogos.

“As sanções de hoje fazem parte do suporte constante do Reino Unido pelo povo da Ucrânia. Seremos impiedosos na perseguição àqueles que permitem a morte de civis, destruição de hospitais e ocupação ilegal de territórios soberanos”, disse o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson.

No parlamento britânico vinha tendo uma pressão por uma ação contra Abramovich e outros oligarcas russos ligados a Putin, criticando o governo que não extava agindo tão rápido como a União Europeia e os Estados Unidos. Um porta-voz do dono do clube inglês, disse que ainda não pode fazer comentários sobre esta decisão do governo britânico.

Publicidade

Campeonato de futebol

Ministra britânica de esportes, Nadine Dorries, disse que o governo ofereceu uma licença especial para que o time possa continuar atuando, pague seus funcionários e permita que os jogos aconteçam. O objetivo é para não prejudicar o campeonato. “O governo vai trabalhar com as ligas e clubes para que o futebol continue, ao mesmo tempo que permita que as sanções acertem quem precisa”, disse Dorries.

Publicidade