JUSTIÇA

Família de Mahsa Amini denuncia polícia do Irã

Promotor prometeu ao advogado que caso será analisado de forma minuciosa.

Mulheres estão queimando seus Hijabs em protesto por todo o país (Créditos: Getty Images)

Saleh Nikbakht, o advogado da família da jovem Mahsa Amini, morta durante uma ação policial no Irã, anunciou nesta quarta-feira (28) que foi aberta uma ação contra os policiais que prenderam a garota.

Publicidade

Amini foi morta por membros da Patrulha de Orientação, uma polícia moral do Irã, enquanto estava detida por não usar o hijab em público. Sua morte revoltou milhares de mulheres pelo país que estão enfrentando o regime autoritário de Teerã em protestos violentos. Agências de notícias locais falam em 60 mortos, incluindo a morte de 10 agentes de segurança.

Em entrevista à AFP, a família da jovem conta que ela morreu por conta de um golpe na cabeça dado por um dos policiais, mas ela só foi transferida para o hospital três dias depois, já em coma.

As autoridades do Irã advertiram que irão agir “com todas as forças” contra os manifestantes, já deixando dezenas de mortos entre os revoltosos e bloqueando a internet no país.

O advogado da família pediu que todos os vídeos e fotos disponíveis sobre a detenção de Mahsa Amini sejam disponibilizados para o julgamento, que será “tratado minuciosamente”, de acordo com o promotor-chefe que conversou com Nikbakht.

Publicidade

Por sua vez, a polícia moral do país nega que tenha qualquer envolvimento direto com a morte de Mahsa Amini.