Argentina

Mauricio Macri crítica a expansão da Corte Suprema

O ex-presidente também falou sobre a política econômica da Argentina. “Não podemos continuar a ter um Estado que nos sufoca e que rouba o nosso trabalho”, recriminou.

Mauricio Macri crítica a expansão da Corte Suprema
(Créditos: Amilcar Orfali/Getty Images)

Mauricio Macri voltou a criticar as políticas do governo argentino, em especial o projeto de ampliação da Corte Suprema de Justiça , e suscitou um diálogo com Cristina Kirchner em respeito às instituições. “Podemos sentar para conversar sobre como algemar a Justiça”, disse o líder da coalizão política Juntos por el Cambio, nesta sexta-feira (23), em entrevista. O ex-presidente também falou de uma eventual candidatura em 2023. 

Publicidade

“Aqui o diálogo pode ser construído dizendo -se ‘estas ideias que têm sido aplicadas são um fracasso’. Qualquer um teria fracassado, até Copperfield fracassaria com essas ideias de se isolar do mundo , de destruir a cultura do trabalho, do mérito, da modernização, da avaliação e da competição em uma sociedade em que ainda temos sindicatos de professores que dizem que não temos de avaliar”, disse Mauricio Macri em diálogo com Eduardo Feinmann e Jorge Lanata na transmissão da dio Mitre .

“Se vamos sentar para conversar sobre essa agenda, vamos. Mas se sentarmos e conversarmos sobre como amarrar a Justiça , como demolir ainda mais nosso sistema institucional, que é frágil – por isso não temos um nível de investimento como o que deveríamos ter para o potencial de nossa gente -, não”, completou. 

Publicidade

Candidatura em 2023 e críticas à condução econômica

Eduardo Feinmann perguntou se ele será candidato em 2023, e Mauricio Macri foi evasivo: “Estou muito feliz onde estou agora, não estou especulando, estou ajudando”.

“Aonde quer que eu vá, tenho mensagens de incentivo e desejo de construirmos algo diferente. Hoje sinto que estou ajudando onde tenho que ajudar, esclarecendo ideias.Quem é, sempre se faz importante, mas o porquê é mais importante do que nunca. Não podemos voltar atrás acreditando que um populismo leve pode ser feito”, acrescentou o líder do PRO.

Ele também criticou a gestão econômica do país, agora a cargo do ministro Sergio Massa . “Não podemos continuar a ter um Estado que nos sufoca e que nos rouba o nosso trabalho”, disse. 

Publicidade

Num desabafo histórico, ele reavivou suas tradicionais críticas ao populismo e o vinculou à individualidade do trabalho como forma de derrotá-lo. “O que vai nos salvar é o trabalho de cada um e é isso que faz a diferença.  O lugar onde o populismo começou, com Evita e Perón, é o primeiro lugar onde terminará (…)  Levou tempo para o Kirchnerismo nos demolir. No entanto, temos pessoas capazes, temos a economia do conhecimento”, referiu. 

Na mesma direção, Macri afirmou que no ano que vem o país estará a “sete palmos abaixo da terra” e que atualmente “ninguém governa o país”, um tiro direto à Casa Rosada. “Ninguém está governando a Argentina hoje, nem Cristina, nem Alberto, nem Massa. A Argentina está à deriva”, criticou. 

Projeto de reforma da Suprema Corte

Nesta quinta-feira (22), o Senado deu meia sanção ao projeto de lei que prevê a ampliação do número de membros da Corte Suprema para 15 membros, decisão que  causou rejeição na oposição. Macri levantou a bandeira da Justiça e reclamou sobre a aprovação do projeto no Senado por 36 a 33: “Quem vai investir em um país que acredita que uma Suprema Corte pode ser maior que um time de futebol?”

Publicidade

Macri: “Vamos voltar ao poder”

Como se afirma há meses, em boatos, a possibilidade de voltar a governar o país após o fraco desempenho da Frente de Todos é uma opção viável mesmo meses antes das eleições. 

O ex-presidente é um dos líderes do partido que mais se manifesta e esta manhã não foi exceção, quando garantiu que a coligação da oposição voltará ao poder. 

“O que aconteceu ontem no Congresso é uma demonstração do desconhecimento da realidade que Cristina Kirchner tem”, aprofundou Macri.

Publicidade