BARBÁRIE

Milícia no Peru tortura 7 mulheres por acusá-las de bruxaria

Autoridades locais resgataram as mulheres e mais um homem, vítimas foram chicoteadas pelos sequestradores.

Grupo acusado de torturar as vítimas é defendido pelo presidente do país (Créditos: Dan Kitwood/Getty Images)

O Ministério Público do Peru informou nesta terça-feira (12) que as autoridades locais resgataram 7 mulheres e um homem que foram acusados de bruxaria e vítimas de sequestro e tortura por milícia rural do país. A polícia local está investigando o caso.

Publicidade

As vítimas resgatadas alegaram terem sido despidas e chicoteadas por membros da milícia Rondas Campesinas, atuante no interior do país. Os sequestradores as acusaram de praticar bruxaria contra moradores de uma comunidade local na província de Pataz.

As mulheres sequestradas foram mantidas em cativeiro por duas semanas até serem resgatadas.

O assunto começou a ganhar repercussão quando vídeos de tortura dos milicianos tentando fazer mulheres confessarem envolvimento com bruxaria se espalharam pelas redes sociais do país. Em um deles, uma mulher é mostrada pendurada de cabeça para baixo enquanto é interrogada. Outro vídeo mostra marcas de agressões nas costas de uma idosa. As idades das vítimas variam entre 43 e 70 anos.

Segundo o jornal local, RPP Notícias, o líder da milícia, Pablo Haro, defendeu os sequestros afirmando: “Elas fizeram um compromisso: que vão se retirar da cidade. Elas mesmas fizeram sua declaração que estavam envolvidas com feitiçaria.”

Publicidade

A milícia Rondas Campesinas atuava como grupo de guerrilha contra o governo nos anos 80, atualmente funcionando como uma espécie de polícia paralela no interior do país. O atual presidente do país, Pedro Castillo, já foi um militante da Ronda e é abertamente defensor do grupo.