fala racista

Nelson Piquet chama Lewis Hamilton de “neguinho” em entrevista; F1 e Mercedes condenam uso do termo

Nesta terça-feira (28), a Fórmula 1 e a equipe Mercedes- AMG Petronas condenaram o uso do termo racista pelo ex-piloto brasileiro.

nelson-piquet-chama-lewis-hamilton-de-neguinho-em-entrevista-f1-e-mercedes-condenam-uso-do-termo
Lewis Hamilton (Créditos: Clive Mason/Getty Images)

O ex-piloto da Fórmula 1 Nelson Piquet chamou Lewis Hamilton de “neguinho”, ao comentar o acidente que envolveu o inglês e Max Verstappen, durante o Grande Prêmio de Silverstone, em 2021. O termo racista foi utilizado por Piquet em novembro do ano passado, mas veio à tona recentemente.

Publicidade

“O neguinho [Lewis Hamilton] meteu o carro e deixou porque não tinha jeito de passar dois carros naquela curva. Ele fez de sacanagem. A sorte dele é que só o outro [Verstappen] se f*deu”, afirmou Piquet em entrevista ao canal Motorsports Talk.

O acidente, comentado por Piquet, ocorreu enquanto Hamilton e Verstappen disputavam o primeiro lugar na corrida.  Após ter a roda traseira direita tocada pelo inglês, Verstappen perdeu a direção e se chocou contra o muro de pneus em Silverstone. Hamilton manteve a liderança até o final da etapa e garantiu a vitória.

Nesta terça-feira (28), a Fórmula 1 e a equipe Mercedes- AMG Petronas condenaram o uso do termo pelo ex-piloto brasileiro. A F1 declara que “linguagem discriminatória ou racista é inaceitável em todas as formas e não tem um papel na sociedade”.

A equipe do atleta declarou que “Lewis liderou os esforços do nosso esporte para combater o racismo, e ele é um verdadeiro campeão da diversidade dentro e fora da pista”. “Juntos, compartilhamos uma visão para um automobilismo diverso e inclusivo, e este incidente sublinha a importância fundamental de continuar a lutar por um futuro mais brilhante”, conclui o posicionamento da Mercedes.

Publicidade

Em suas redes sociais, Hamilton respondeu em português a fala de Piquet. “Vamos focar em mudar a mentalidade”, postou Hamilton no Twitter. “É mais do que linguagem. Essas mentalidades arcaicas precisam mudar e não têm lugar no nosso esporte. Fui cercado por essas atitudes e alvo de minha vida toda. Houve muito tempo para aprender. Chegou a hora da ação”, acrescentou o piloto inglês.