GUERRA NUCLEAR

Putin diz que não há vencedores em uma guerra com armas nucleares, EUA quer novo acordo

EUA diz que a negociação sobre um novo tratado requer “um parceiro disposto a operar em boa-fé.”

Anthony Blinken, secretário dos EUA, tenta convencer a China a ajudar os EUA em controlar arsenais nucleares. (Créditos: Alex Wong/Getty Images)

Em carta enviada para os participantes da Décima Conferência de Revisão para o Tratado sobre a Não-Proliferação de Armas Nucleares (NPT), Vladimir Putin, presidente da Rússia, disse que ‘não pode haver vencedores em uma guerra nuclear‘. O evento está ocorrendo nesta segunda-feira (1) na cidade de Nova York.

Publicidade

A reunião de líderes mundiais está tendo como temas as tensões nucleares envolvendo não só a ação russa na Ucrânia, mas também as disputas diplomáticas dos EUA com o Irã e Coreia do Norte.

Durante a reunião, Anthony Blinken, secretário de Estado dos EUA, disse que seu país está disposto a negociar um novo acordo sobre armas nucleares, mas “a brutal e não provocada agressão da Rússia na Ucrânia” o leva a crer que Putin não é um parceiro de ‘boa fé.’

A Rússia deve demonstrar que está pronta para retomar o trabalho sobre o controle de armas nucleares com os Estados Unidos“, completou Blinken.

Em sua carta enviada para a realização do evento, Putin escreveu “Partimos do fato de que não pode haver vencedores em uma guerra nuclear e ela nunca deve ser desencadeada, e defendemos uma segurança igual e indivisível para todos os membros da comunidade mundial.

Publicidade

Sobre o Irã e a Coreia do Norte, Blinken alertou que os dois países tem se demonstrado mais tentados a aumentar seu arsenal nuclear e disse estar disposto a conversar com a China para pedir ajuda nessa questão.

O Irã tem enfrentado tensões com os EUA desde 2019 por ter rompido um acordo que firmou em 2015 sobre sua produção de armas nucleares. Enquanto isso, acredita-se que a Coreia do Norte caminha para seu sétimo teste nuclear.

Joe Biden, presidente dos EUA, já havia pedido anteriormente à China, grande parceira comercial dos dois países, para ajudar a conter a questão. Desde o início de seu mandato, Biden vem sancionado empresas chinesas que negociam com o Irã para tentar minar a economia do país.

Publicidade