Reino Unido enviará mísseis antiaéreos à Ucrânia

O Reino Unido já forneceu 3.615 armas antitanque para a Ucrânia

reino-unido-enviara-misseis-antiaereos-a-ucrania
O secretário de Defesa britânico, Ben Wallace, caminha em direção a Downing Street após a reunião semanal do Gabinete no Foreign & Commonwealth Office em 15 de setembro de 2020 em Londres, Inglaterra. (Crédito: Leon Neal/Getty Images)

Reino Unido está aumentando seu fornecimento bélico para a Ucrânia visando conter ”novos atos de agressão da Rússia”, disse o ministro da Defesa britânico, Ben Wallace, nesta quarta-feira (9).

Publicidade

Wallace disse que o “fornecimento inicial seria de 2.000 armas antitanque New Light, armas pequenas e munições”, mas isso foi aumentado e o Reino Unido continuará entregando mais armamento a Ucrânia.

O Reino Unido já forneceu 3.615 armas antitanque para a Ucrânia e em breve também fornecerá uma pequena remessa de mísseis antitanque Javelin, afirmou o ministro a parlamentares.

“Em breve iniciaremos a entrega de pequenas remessas de mísseis antitanque Javelin”, disse ele, acrescentando que todas as armas são consideradas “sistemas defensivos” e são “calibradas para não escalar a um nível estratégico”.

O Reino Unido também está considerando fornecer à Ucrânia mísseis antiaéreos de alta velocidade. O ministério da defesa britânico acredita que esse sistema “se manterá dentro da definição de armas defensivas, mas permitirá que a força credenciada defenda melhor seus céus”.

Publicidade

Entenda a invasão da Rússia na Ucrânia

O presidente Vladimir Putin ordenou uma invasão na Ucrânia, na quinta-feira (24). Desde então, o exército russo faz ofensivas por terra, ar e mar contra pontos estratégicos ucranianos, incluindo a capital Kiev e Kharkiv, segunda maior cidade do país.

Militares russos também conquistam terreno no sul da Ucrânia. Pelo menos uma cidade portuária, Kherson, já foi tomada por eles.

Publicidade

Um dos fatores que desencadeou o conflito foi a possibilidade da Ucrânia entrar na OTAN, aliança militar do Ocidente. Uma das demandas da Rússia nas negociações sobre a guerra é que a Ucrânia se comprometa a nunca entrar na OTAN e na União Europeia. Moscou também exige que Kiev reconheça a independência das regiões separatistas de Donetsk e Luhansk, no leste ucraniano, e que a Crimeia faz parte da Rússia.

Putin argumenta que está realizando uma “operação especial” para proteger os russos que vivem em território ucraniano. Ao mesmo tempo, Putin também diz que a Ucrânia está sob controle estrangeiro e que não merece ser um país independente.

Publicidade