Saúde mundial está ameaçada com poluição de rios por remédios

Estudo detecta na água presença de medicamentos como Paracetamol, nicotina, cafeína e medicamentos para epilepsia e diabetes

Saúde mundial está ameaçada com poluição de rios por remédios
Ainda é desconhecido o impacto de muitos produtos farmacêuticos mais comuns nos rios (Créditos: Christopher Furlong/Getty Images)

Em um novo estudo da Universidade de York, no Reino Unido, mostra que a poluição do mundo por remédios e outros produtos farmacêuticos, representa uma “ameaça à saúde ambiental e global”. Paracetamol, nicotina, cafeína e medicamentos para epilepsia e diabetes foram detectados no relatório.

Publicidade

Em escala global, a pesquisa está entre as mais extensas. Rios do Paquistão, Bolívia e Etiópia estavam entre o mais poluídos. Os rios da Islândia, da Noruega e da Floresta Amazônica se saíram melhor.

Ainda é desconhecido o impacto de muitos produtos farmacêuticos mais comuns nos rios. Porém, já se sabe que anticoncepcionais pode afetar o desenvolvimento e a produção dos peixes. Os cientistas temem que o aumento de antibióticos nos rios possa limitar sua eficácia como medicamentos.

De acordo com o G1, os estudos coletaram amostras de água de mais de mil locais de 100 países. Mais de um quarto dos 258 rios amostrados tinham o que é conhecido como “ingredientes farmacêuticos ativos” presentes em um nível considerado inseguro para organismos aquáticos.

Normalmente, o que acontece é que usamos esses produtos químicos, eles produzem alguns efeitos desejados em nós, e depois deixam nossos corpos”, disse um dos autores do estudo, John Wilkinson, à BBC News.

Publicidade

“O que sabemos agora é que mesmo as estações de tratamento mais modernas e eficientes não são completamente capazes de degradar esses compostos antes que eles acabem em rios ou lagos.”

Os remédios mais frequentemente que são detectados foram a carbamazepina, que é utilizada para a epilepsia e dores nos nervos, e a metformina, usada para tratar diabetes. Foram detectados também, altas concentrações de compostos ligados a estilo de vida, como cafeína, nicotina e paracetamol. A artemisinina, é utiliza na África contra a malária, que também foi encontrada com muita concentração.

“Podemos dizer que [o impacto da presença de produtos farmacêuticos nos rios] provavelmente será negativo, mas você tem que fazer testes individuais com cada um e há relativamente poucos estudos”, disse à BBC News a ecologista aquática Veronica Edmonds-Brown, da Universidade de Hertfordshire, no Reino Unido.

Publicidade