Fale conosco

O que vc está procurando?

Brasil

Pesquisa aponta inacessibilidade de sites culturais

pesquisa-aponta-inacessibilidade-de-sites-culturais

Oito em cada dez pessoas com deficiência (85,9%) acessariam conteúdos culturais com mais frequência se fosse mais fácil e acessível navegar por sites sobre o assunto. Isso é o que apontou uma pesquisa de opinião sobre o acesso à arte e à cultura no ambiente digital feita pelo Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). A pesquisa foi apresentada hoje (14) no seminário online Encontros CCBB sobre Acessibilidade Digital.

“Temos 86% das pessoas dizendo que, se fosse mais fácil navegar, com os recursos que são necessários para essa pessoa poder interagir, com certeza ela consumiria mais. E leia-se, por consumir, o consumo de informação, de experiência, de produto”, disse Simone Freire, idealizadora do Movimento Web para Todos, durante o seminário.

A Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, de 2005, tornou obrigatória a acessibilidade nos sites da internet do Brasil. Entre esses recursos que devem ser utilizados estão, por exemplo, a presença de janela com intérprete de Libras e audiodescrição. A Lei da Inclusão também estabelece que a pessoa com deficiência tem direito à cultura e que programas de televisão, cinema, teatro e outras atividades culturais e desportivas devem possuir formato acessível.

Mas, na prática, nem todo conteúdo cultural é acessível. E isso tem sido observado também quando se pensa na disponibilização de conteúdos culturais pela internet. Apesar de ser crescente o interesse da população com deficiência a conteúdos culturais na internet, muitos sites, aplicativos e portais ainda não são acessíveis. Ou não estão suficientemente acessíveis, atendendo a apenas uma parcela das pessoas com deficiência.

“Muitos sites, inclusive ligados à produção cultural, podem ser acessíveis, mas para uma determinada deficiência. Por exemplo, há sites com descrição de imagem. Mas não tem, por exemplo, intérprete de Libras fazendo a tradução. A verdade é que são raríssimos os sites de produção cultural que estão adequados”, disse Simone Freire.

“De fato, isso é uma realidade. Muitos poucos espaços culturais investem em acessibilidade na web, seja para seus sites, seus aplicativos ou suas redes sociais”, concordou Viviane Sarraf, especialista em museologia e acessibilidade cultural, fundadora da Museus Acessíveis e criadora da Rede de Informação de Acessibilidade em Museus (Rinam).

O jornalista Fernando Campos, do canal Na Visão do Cego, conhece essas dificuldades. “Os produtores culturais e a sociedade em si não pensam que a pessoa com deficiência vai consumir conteúdo cultural”, disse ele. “Eu vivo direto isso: vou entrar em algum site para pesquisar alguma coisa, abrem-se janelas pop-up [janelas que se abrem automaticamente na tela ao se abrir algum site, geralmente com conteúdo de propaganda] e eu fico preso [nesse site]. Meu leitor de tela não sinaliza onde eu posso sair. E lá eu fico. Isso acontece direto comigo”, alertou.

Além dos pop-ups, Campos lembrou outro problema: as plataformas de streaming. “Consumo muito pouco filmes e séries porque as plataformas de streaming também são inacessíveis. Algumas já contam com audiodescrição, mas ainda é um conteúdo limitado. Está melhorando, mas ainda precisa avançar bastante”, destacou ele.

A pesquisa

A pesquisa online do CCBB foi feita com 256 pessoas de todo o país, com diversos tipos de deficiência, entre os dias 28 de abril e 1o de junho. Desse total de pessoas entrevistadas, 88,3% disseram que costumam acessar conteúdos culturais por meio virtual, principalmente utilizando celular (61,6%).

Para 27% dessas pessoas, a navegação e acessibilidade desses sites culturais são ruins. Outros 8,6% consideram a navegação e o acesso a esses conteúdos péssimos. Apenas 5,5% consideram ótima a navegação por sites de conteúdo cultural.

Os sites que essas pessoas consideram mais fáceis de navegar são os de notícias. Essa foi a resposta de metade dos entrevistados (51,2%). Em seguida aparecem os sites de educação (16,8%), as lojas virtuais (12,1%), sites de bancos (6,3%), sites governamentais (5,5%) e sites de serviços de saúde (0,8%). “Isso não quer dizer que os sites de notícias estão acessíveis. Não existe site de notícias acessível no país, que abarque a maior parte das deficiências. Mas ele é mais fácil de navegar porque tem basicamente texto e imagem e, eventualmente, vídeos. O acesso à informação é muito simples, muito básico. Mas eles não são navegáveis pelo teclado, não tem descrição de imagem, não tem intérpretes de libras. Mas eles são os menos piores a se navegar”, explicou Simone.

A pesquisa mostrou ainda que, durante a pandemia do novo coronavírus, 72% dos entrevistados usaram a internet com mais frequência em busca de conteúdos culturais.

(Agência Brasil)

Mais em Perfil

Últimas Notícias