Fale conosco

O que vc está procurando?

Tecnologia

Telas causam efeitos negativos no desenvolvimento intelectual

Elas causam efeitos prejudiciais e indesejáveis ​​nas interações humanas, no desenvolvimento da linguagem e na concentração

Telas e interações humanas
Telas e os efeitos danosos sobre o desenvolvimento intelectual de crianças, adolescentes e jovens (Crédito: Pixabay)

Depois de fazer uma panorâmica do uso e do abuso de telas e de analisar as consequências nocivas nos resultados escolares, hoje vamos nos concentrar nos efeitos danosos sobre o desenvolvimento intelectual de crianças, adolescentes e jovens. Esta questão é abordada por Michel Desmurget no capítulo 6 do seu livro “La fabrique du crétin digital”.

Para este neurocientista francês, as telas minam os três pilares fundamentais do desenvolvimento intelectual de cada criança (a primeira vítima das telas), causando efeitos negativos e indesejáveis ​​nas interações humanas, no desenvolvimento da linguagem e na concentração.

Telas e interações humanas

O recém-nascido, quando chega a este mundo, não é uma “página em branco”, mas sim uma bagagem de potencialidades e capacidades imaturas (ou, como diríamos hoje, um programa mínimo de funcionamento), que deve ser desenvolvido e amadurecido. Para isso, as interações sociais com os seres humanos mais próximos (pais e irmãos, principalmente) são absolutamente necessárias. No entanto, se o seu ecossistema não o fornecer, nos primeiros anos de vida (“período sensível” no qual o cérebro goza de plasticidade e maleabilidade), os estímulos necessários, tanto em quantidade como em qualidade, não se desenvolverão as suas potencialidades. Ou eles se desenvolverão mal. E então será muito difícil ou impossível preencher as lacunas e compensar o tempo e as oportunidades perdidas.

De acordo com as conclusões de numerosos estudos, quanto mais tempo as crianças (e também adolescentes e jovens) passam com seus celulares, suas TVs, seus computadores, seus tablets, seus consoles, etc., mais eles são alterados, tanto em quantidade como em qualidade. O mesmo pode ser dito dos pais: quanto mais tempo ficam presos às telas, menos tempo têm para se dedicar aos filhos. Esses dois achados não importariam se as telas proporcionassem ao cérebro dos filhos uma nutrição adequada e bem fundamentada, com valor nutricional igual ou superior ao proporcionado pelas relações com os seres humanos (pais, irmãos), mas não é o caso!

De fato, para que os contatos e relacionamentos no ecossistema próximo da criança sejam produtivos e eficazes, a presença física de seus pais e irmãos é necessária, e não uma presença humana através das telas. A descoberta dos “neurônios-espelho” (final do século 20) mostrou que esses neurônios são mais sensíveis e reagem melhor à presença do ser humano do que à imagem indireta do mesmo ser humano na tela. Por isso, a criança entende, aprende, usa e retém as informações fornecidas por um ser de carne e osso melhor do que por um vídeo desse ser. Assim, as interações humanas intrafamiliares devem ser favorecidas e mimadas em detrimento das telas, pois mais e melhor se aprende com o que é visto e ouvido no mundo real do que com o que é dito e ouvido na tela.

Telas e desenvolvimento de linguagem

A linguagem é o que nos torna seres humanos, é a fronteira que nos separa dos animais. Graças a ela podemos pensar, nos comunicar, adquirir conhecimentos e amadurecer intelectualmente. Por isso, existe uma relação muito estreita entre o desenvolvimento da linguagem e o nível de capacidade intelectual. Do ponto de vista histórico, a humanidade desenvolveu, aperfeiçoou e enriqueceu progressivamente aqueles sistemas de signos chamados de línguas naturais. E, da mesma forma, o recém-nascido passa a adquirir, gradativamente e em muito pouco tempo, o domínio adequado da língua materna, o que lhe permite interagir linguísticamente para verbalizar suas necessidades e participar socialmente. No entanto, a complexidade de uma língua é tal que o seu aprendizado nunca termina: do berço ao túmulo, podemos e devemos sempre aprimorar nossas habilidades linguísticas.

Porém, há algum tempo, o processo de aquisição da linguagem por crianças, adolescentes, jovens e até adultos parece retardado, negligenciado ou dificultado. E entre os potenciais culpados (redução da carga horária, reformas educacionais discutíveis, degradação da formação de professores etc.), segundo Michel Desmurget, também estão as telas. O uso desenfreado de telas recreativas diminui, em quantidade e qualidade, as trocas linguísticas intrafamiliares, base e fundamento do amadurecimento linguístico e do desenvolvimento intelectual da criança. De fato, ao longo de um dia, uma criança pode ouvir, em seu ambiente humano, cerca de 925 palavras por hora. No entanto, quando a TV está ligada, ele ouve apenas 155 (85% menos). Por isso, para Michel Desmurget, o humano não pode ser substituído por telas, cuja ineficácia na aprendizagem linguística foi comprovada experimentalmente e teoricamente.

No campo da aquisição da linguagem, as telas também agem de forma muito negativa, precisamente em dois aspectos. Por um lado, eles reduzem o volume e a qualidade das primeiras trocas linguísticas vitais. E, por outro lado, dificultam a aprendizagem da expressão-compreensão oral, bem como o trânsito e a entrada no mundo da comunicação escrita (leitura e expressão escrita). Com as telas, essas aprendizagens são mais trabalhosas e lentas, mais parciais e mais superficiais do que aquelas que são adquiridas no contexto da vida real. Para uma criança exibir suas habilidades linguísticas e adquirir sua língua materna, ela não precisa de telas. O que ele precisa é ser falado, ser estimulado a usar o verbo para nomear e narrar o que vê, o que sente, o que vive, o que deseja… ouvir ou ler histórias, ser convidado a ler, etc.

Telas e concentração

Sem a capacidade de concentração ou atenção, não há como mobilizar e orientar o pensamento para um objetivo concreto e alcançá-lo. Agora, as jovens gerações, continuamente imersas em um ecossistema de telas, de conteúdo diverso e ilimitado, são permanentemente solicitadas e bombardeadas por elas e, então, a concentração é impossível; além disso, o funcionamento cognitivo é perturbado e as habilidades intelectuais são relaxadas.

Deve-se notar que o cérebro humano não foi concebido ou projetado para tal bombardeio exógeno contínuo. E é por isso que as múltiplas telas têm um impacto tão prejudicial na concentração necessária, por longos períodos, para realizar qualquer empreendimento ou atingir objetivos específicos: a aquisição de conhecimentos, habilidades de leitura ou escrita, sucesso escolar, etc.

Menos telas e mais relações humanas

Diante do constante saque intelectual das telas e dos efeitos danosos por elas produzidos (maus resultados escolares, fraco desenvolvimento cognitivo, problemas de saúde), as telas são vistas por Michel Desmurget como uma agressão silenciosa em benefício de alguns (empresários do novo tecnologias) e em detrimento de quase todos (crianças, adolescentes, jovens e adultos). Na verdade, desde a mais tenra idade, com a degradação e empobrecimento de nossas capacidades cognitivas e linguísticas e com nossa incapacidade de concentração, alguns cidadãos “gama”, descritos por Aldous Huxley, em “Admirável Mundo Novo”, estão sendo moldados. Como seres sem espírito crítico, sem linguagem, sem pensamento e contente com seu destino; seres “desempoderados”, escravizados e transformados em seres irracionais.

  • Manuel I. Cabezas González. Doutor em Didatologia de Línguas e Culturas Professor de Lingüística e Linguística Aplicada Departamento de Filologia Francesa e Românica (UAB) www.honrad.blogspot.com

Este texto foi traduzido ao português de Perfil Argentina.

Veja também

Economia

Provar materialmente uma das fraudes mais comuns e com o maior número de vítimas – a das bombas de postos de combustíveis – é...

Tecnologia

Como plataformas como Netflix, Disney+, AmazonPrimes e HBO Max devem se popularizar e fidelizar clientes

Brasil

Entre 2010 e 2020, pelo menos 103.149 crianças e adolescentes com idades de até 19 anos morreram no Brasil, vítimas de agressão, segundo levantamento...

Brasil

O percentual de domicílios brasileiros que usam a internet subiu de 79,1% para 82,7%, de 2018 para 2019, o que representa alta de 3,6...