DISPUTA EM BRASÍLIA

Alexandre de Moraes nega à PGR arquivamento de inquérito contra Bolsonaro

Inquérito trata de uma notícia-crime enviada pelo TSE contra Bolsonaro após o presidente divulgar dados sigilosos de uma investigação da PF.

Alexandre de Moraes foi acusado pela PGR de ‘contaminar’ provas das investigações (Créditos: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Alexandre de Moraes, ministro do STF, negou nesta sexta-feira (5) um pedido da PGR de arquivamento do inquérito contra Jair Bolsonaro (PL) em que o presidente é investigado por vazamento de dados sigilosos. O pedido partiu de Lindôra Araújo, vice-procuradora geral da República.

Publicidade

O pedido da PGR foi enviado no dia 1 de agosto e tratava de um inquérito levantado após Bolsonaro divulgar dados de uma investigação da Polícia Federal sobre um ataque hacker ao TSE ocorrido em 2018.

A exposição dos dados da investigação foi feita durante uma live em 2021, no dia 4 de agosto daquele ano. Na transmissão ao vivo, Bolsonaro expôs a íntegra do inquérito da PF sobre o caso para tentar provar seu ponto sobre as urnas eletrônicas. O TSE enviou uma notícia-crime contra o presidente na época, uma vez que servidores públicos tem obrigação legal de proteger informações sigilosas.

A posição da PGR no pedido enviado para se arquivar o inquérito sobre o ocorrido argumenta que não há mais elementos que deem continuidade à investigação, além de acusar Alexandre de Moraes de ‘contaminar’ provas.

Moraes, por sua vez, chamou o pedido da PGR de arquivamento de uma ‘inusitada alteração de posicionamento da Procuradoria Geral da República’ sobre o inquérito.

Publicidade

Publicidade