processo eleitoral

Bolsonaro reúne embaixadores e repete suspeitas sobre segurança das urnas

No encontro, Bolsonaro ainda atacou o ex-presidente Lula e ministros do Supremo Tribunal Federal.

bolsonaro-reune-embaixadores-e-repete-suspeitas-sobre-seguranca-das-urnas
Jair Bolsonaro (Créditos: Andressa Anholete/Getty Images)

O presidente Jair Bolsonaro (PL) organizou nesta segunda-feira (18) uma apresentação para embaixadores de vários países na qual repetiu suspeitas sobre credibilidade das eleições de 2018 e a segurança das urnas eletrônicas.

Publicidade

O atual presidente, que também está concorrendo a reeleição, aproveitou o evento para atacar Lula da Silva (PT), que também é pré-candidato à Presidência e primeiro colocado em todas as pesquisas de intenção de voto, e os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes.

Ao fim do pronunciamento, Bolsonaro exibiu aos embaixadores um vídeo no qual aparece cercado por apoiadores. “Isso acontece no Brasil todo, como eu já disse, o povo gosta da gente. Não pago um centavo para ninguém participar de absolutamente nada”, afirmou, sem estabelecer referência entre o vídeo e o tema do discurso anterior.

A apresentação de Bolsonaro aos embaixadores foi baseada em um inquérito aberto pela Polícia Federal em 2018, com autorização do STF, sobre a invasão de um hacker ao sistema do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O TSE já informou e comprovou que esse acesso foi bloqueado e não interferiu em qualquer resultado.

O presidente também voltou a citar, na apresentação aos embaixadores convidados, a tese de que o voto impresso seria mais seguro que as urnas eletrônicas — utilizadas desde 1996 sem qualquer caso confirmado de fraude ou adulteração.

Publicidade

Ele deu ainda outras informações falsas aos embaixadores presentes à reunião, entre as quais a de que somente dois países em todo o mundo usavam urnas eletrônicas. Dados do Instituto Internacional para a Democracia e a Assistência Social (Idea Internacional) indicam que, já em 2015, 23 países usavam urnas eletrônicas para eleições gerais – e outros 18, em pleitos regionais.

 

Publicidade

 

 

Publicidade