Votação em Papel

Fora do país, 50 urnas apresentam defeito e são substituídas

Os Estados Unidos são o maior colégio eleitoral fora do Brasil, com 182.986 eleitores.

Fora do país, 50 urnas apresentam defeito e são substituídas
As urnas eletrônicas com defeitos foram substituídas pela votação com cédulas de papel (Crédito: Heuler Andrey/Getty Images)

Cerca de 50 urnas eletrônicas apresentaram defeito, sem possibilidade de substituição, e tiveram que ser substituídas por cédulas de papel no exterior. A informação foi divulgada pelo desembargador Roberval Belinati, presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF), responsável por organizar as eleições brasileiras fora do país.

Publicidade

Segundo Belinati, em 100 países, 697 mil eleitores estão cadastrados e podem votar apenas para presidente da República. Ao todo, cerca de mil urnas foram enviadas para o exterior.

Até as 11h (horário de Brasília), em 33 países as eleições já haviam sido encerradas. Todos esses países estão na Ásia e Oceania. “Em Portugal tivemos um problema em Lisboa. Servidores da embaixada que iriam trabalhar decidiram entrar em greve, não quiseram participar do processo eleitoral, por isso houve atraso, aumento de fila e a requisição de outros brasileiros para mesários”, explicou o desembargador.

Os Estados Unidos são o maior colégio eleitoral fora do Brasil, com 182.986 eleitores. Em seguida vêm Portugal, com 80.896 brasileiros, e o Japão, com 76.570. Em 79 países, onde há mais de 100 eleitores, é utilizada a urna eletrônica. Nesse grupo, Marrocos é o que tem o menor eleitorado, são 103 pessoas. Na Croácia, onde o número de eleitores brasileiros é de 99, é usada a urna de lona com votação em cédula de papel. Com 33 pessoas cadastradas, o Nepal é o país com o menor número de eleitores.

Em abril, o plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) autorizou a instalação de postos de votação fora da sede das embaixadas e repartições consulares em 21 países. A decisão atendeu a um pedido feito pelo Ministério das Relações Exteriores, que defendeu a necessidade de criação de novas seções eleitorais para incluir o índice crescente de eleitores que não votam no Brasil.

Publicidade

Vale lembrar que o voto é facultativo para menores de 18 anos, maiores de 70 e pessoas analfabetas. Sendo assim, brasileiros maiores de idade que residem no exterior devem cumprir as obrigações eleitorais e votar, ao menos, para escolher os candidatos à Presidência e à Vice-Presidência.

No entanto, quem optar por manter o domicílio eleitoral em município brasileiro continua obrigado a votar em todas as eleições. Nesse caso, será necessário justificar a ausência às urnas enquanto estiver fora do país.

Publicidade