Problemas dentários

As causas da sensibilidade nos dentes no inverno

O dentista, Rildo Lasmar, deu dicas de cuidados com o sorriso a fim de evitar o incômodo no período de baixas temperaturas.

As causas da sensibilidade nos dentes no inverno
(Crédito: Canva Fotos)
Com a chegada do inverno, o corpo também sente as mudanças decorrentes das baixas temperaturas, como a sensibilidade nos dentes. Desde as articulações e músculos, a aspectos como o sono e a respiração, somos afetados pelo frio nas mais variadas formas.
Os dentes, que naturalmente possuem sensibilidade, também sofrem com o clima. Como a boca tende a manter uma temperatura que varia entre 36 e 37 graus, com a mudança térmica é possível que o desconforto ou a sensibilidade nos dentes aumente consideravelmente.
O dentista Rildo Lasmar, que atua na Sk Aesthetic, em São Paulo, explicou como ocorre o problema:
“A dentina, que é a camada interna que envolve o nervo, é coberta pelo esmalte da coroa e a gengiva ao redor do dente. Com o tempo, o esmalte se desgasta, o que reduz a proteção. Os pequenos canais que ligam a dentina à polpa dental levam estímulos de contrastes térmicos (quentes ou frios), alcançando o nervo e causando dor”.
Há várias razões que podem acelerar o processo de desgaste, sendo elas:
  • Má escovação;
  • Uso de cremes dentais muito fortes;
  • Consumo de bebidas ácidas, frias ou quentes;
  • Consumo de doces em excesso;
  • Bruxismo;
  • Gengivite;
  • Retração gengival;
  • Fratura dos dentes.
Para os cuidados, Lasmar fala sobre a importância de fazer visitas periódicas a um dentista de confiança, para tratamentos à base de flúor, assim como a manutenção diária durante a higiene:
“O ideal é buscar usar escovas com cerdas macias ou extra macias, além de não praticar a escovação com muita força. Isso evita a retração gengival. Há no mercado, várias marcas e tipos de cremes dentais específicos para sensibilidade, que podem ser escolhidos em vez dos tradicionais. Além disso, o uso do fio dental, pelo menos uma vez ao dia, ajuda a eliminar as placas bacterianas na margem gengival e entre os dentes. Já na alimentação, busque consumir alimentos que não possuam tantas propriedades ácidas. Seguindo esses passos, a chance de diminuir o problema é completamente efetiva”, finaliza.

Publicidade