Nova Safra

China deve trocar milho dos EUA pelo do Brasil

Atualmente, o gigante asiático tem contratos para receber 3,4 milhões de toneladas de milho dos EUA entre os anos de comercialização 2022/23.

China deve trocar milho dos EUA pelo do Brasil
O Brasil é um grande produtor mundial de milho (Crédito: China Photos/Getty Images)

O Serviço Agrícola Estrangeiro do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou um relatório onde estima que a China diminuirá significativamente a importação de milho dos EUA entre os anos de 2022/23. A projeção é benéfica para o Brasil, pois pode colocar o país como um fornecedor de destaque para o mercado chinês.

Publicidade

O relatório revelou que o Brasil reúne condições para suprir as necessidades da China, que concordou em renunciar uma cláusula-chave em seu protocolo fitossanitário para receber os grãos brasileiros. O planejamento da China foi adiantado, uma vez que o país já planejava aumentar o número de negócios com o Brasil em 2023.

Atualmente, o gigante asiático tem contratos para receber 3,4 milhões de toneladas de milho dos EUA entre os anos de comercialização 2022/23; 70% a menos do que no mesmo período do ano passado. A migração de mercado da China se deve ao preço do milho dos Estados Unidos.

“As perdas de produção causadas por chuvas excessivas ao longo de junho e julho no nordeste da China não podem ser totalmente compensadas por projetos de melhores rendimentos na planície do norte da China”, afirmou o USDA. Estas perdas de produção abaixaram a previsão do milho chinês em 2,5 milhões de toneladas para 2023.

Publicidade

 

 

Publicidade