LUZ NO FIM DO TÚNEL

Milho deve ser o responsável pelo aumento de exportações no Brasil

Guerra na Ucrânia abriu espaço no mercado internacional para o milho brasileiro.

China gasta bilhões de dólares com a compra do grão anualmente (Créditos: Tim Boyle/Getty Images)

A agência de pesquisas chinesa Gavekal divulgou nesta terça-feira (20) um artigo que aponta o milho como um possível responsável pelo próximo “boom” das exportações no Brasil. O texto é assinado pelo jornalista econômico especializado em China e Índia, Tom Miller.

Publicidade

Segundo o especialista, o Brasil se encontra num cenário vulnerável em relação as suas exportações para a China. A venda de minério de ferro, soja, petróleo e carne para o país asiático representam 65% do volume total das exportações brasileiras, mas se encontram ameaçadas pelos tropeços da economia chinesa.

O produto mais afetado, de acordo com Miller, será o minério de ferro, que tem visto sua demanda diminuir na China com a desaceleração do mercado imobiliário.

Porém, ele aponta para o milho como uma “luz no fim do túnel” para o comércio de exportações no Brasil. O conflito entre Rússia e Ucrânia abriu um espaço no mercado desse grão no mundo do qual o Brasil é um dos principais candidatos à ocupar. Em 2021, a China gastou US$ 10 bilhões com a compra desse produto.

“Se o ‘boom’ chinês original no Brasil foi baseado na exportação de minério de ferro, o novo ‘boom’ será sobre a exportação agrícola. O impacto econômico dependerá fortemente dos termos de troca, que atualmente estão muito favoráveis ao Brasil”, afirma o especialista.

Publicidade

Miller ainda afirmou que os agricultores brasileiros podem se beneficiar muito com a escassez desse produto no mercado internacional no futuro. “Se os preços globais permanecerem altos, os fazendeiros brasileiros poderão ajudar bastante o próximo governo” , disse.