fato ou mito?

Música clássica pode ajudar o cultivo de plantas? Entenda

Produtores de todo o mundo investem em projetos com canções para melhorar o cultivo de frutas e hortaliças. A preferência é por música clássica. Mas, será que ajuda?

(Crédito: Getty Images)

Um dos primeiros registros levantando a possível conexão entre música e plantas surgiu em 1962.  Dr. T. C. Singh apresentou experimento sobre o efeito de música clássica em plantações na Índia.  Quando a canção era tocada para bálsamos, uma planta considerada medicinal, o cientista percebeu que a taxa de florescimento aumentou em 20%. De acordo com o site Canal Agro, a biomassa, ou seja, a quantidade de material orgânico da planta, aumentou 72% em relação ao mesmo plantio que não estava ‘ouvindo música’.

Publicidade

Ainda nos anos 60, o engenheiro canadense Eugene Canby, por sua vez, replicou as conclusões e tocou a sonata para violino de J.S Bach para seus campos de trigo – obtendo um acréscimo de 66% do rendimento.

A ideia de música para cultivo foi ampliada após a publicação do livro  “A Vida Secreta das Plantas”, em 1973. Na obra, escrita por Christopher Bird e Peter Tompkins,  foram apresentadas as “relações físicas, emocionais e espirituais entre a vegetação e o homem”.

Mas, será que funciona?

A melhor explicação científica para este fenômeno é que a vibração de certos tipos de melodias e som podem ajudar a estimular o processo de fluxo citoplasmático. O livro “The Sound of Music and Plants”  (“O Som da Música e das Plantas”, em tradução livre), de Dorothy Retallack, ajudou a popularizar a ideia.

De forma geral, pesquisadores concluem que as plantações demonstram reações empáticas para com a música, e, assim, atingem seus ápices mais rápido.  Porém, o consenso sobre uma real atuação da música ainda não chegou. Enquanto isso, produtores de todo o mundo seguem investindo nessa ideia.

Publicidade

Aqui no Brasil, tanto em Minas Gerais, quanto no Rio de Janeiro, produtores têm apostado na música clássica para melhorar a produção. Na cidade de Nova União, na Região Central de Minas, a produtora de bananas, Bernadete Ribeiro, usa a onda sonora para melhorar a qualidade da plantação. De acordo com o site G1, a produtora afirma que ainda não teve resultado concreto, mas tem percebido que as bananeiras estão mais altas.

Na cidade de Petrópolis, no RJ, a música também faz parte da plantação no Sítio do Moinho. Alto-falantes foram instalados em estufas do sítio para emitir um repertório de música clássica para as hortaliças.

Vale ressaltar que, cientistas mais céticos afirmam que este melhor desempenho da plantação pode ser explicado pela seguinte tese:  agricultores que expõem as plantas à música podem ser bem mais cuidadosos e preocupados.

Publicidade