meio ambiente

Amazônia Legal tem o maior desmatamento em 15 anos, aponta pesquisa

De agosto de 2021 a julho de 2022, foram derrubados 10.781 km² de floresta, o que equivale a sete vezes a cidade de São Paulo. 

amazonia-legal-tem-o-maior-desmatamento-em-15-anos-aponta-pesquisa
Uma área desmatada da floresta amazônica é vista perto do local onde o complexo de barragens de Belo Monte está em construção na bacia amazônica em 15 de junho de 2012 perto de Altamira, Brasil (Créditos: Mario Tama/Getty Images)

A área de floresta desmatada da Amazônia Legal em 2022 foi a maior dos últimos 15 anos, aponta pesquisa do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) divulgada nesta quarta-feira (17). 

Publicidade

De agosto de 2021 a julho de 2022, foram derrubados 10.781 km² de floresta, o que equivale a sete vezes a cidade de São Paulo.

Publicidade

Somadas, as áreas destruídas nos últimos dois calendários chegaram a 21.257 km², quase o tamanho do estado de Sergipe. Os dados do instituto também apontam que essa foi a quarta vez seguida em que a devastação atingiu o maior patamar desde 2008.

Ainda de acordo com os novos dados divulgados pelo Imazon, nos últimos 12 meses, 36% do desmatamento ocorreu na divisa Amazonas-Acre-Rondônia, região conhecida como Amacro, onde grandes áreas desmatadas têm ocupado florestas públicas não destinadas e áreas protegidas.

Imazon x Inpe

Os dados são do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do instituto, que diferem da metodologia do Deter, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que também divulgou números na última sexta-feira (12).

Publicidade

Segundo o Imazon, os satélites usados são mais refinados que os dos sistemas do governo e são capazes de detectar áreas devastadas a partir de 1 hectare, enquanto os alertas do Inpe levam em conta áreas maiores que 3 hectares.

Assim como o Deter, do Inpe, o calendário de monitoramento do SAD começa em agosto de um ano e termina em julho do ano seguinte por causa da menor frequência de nuvens na Amazônia Legal. Os sistemas também são semelhantes porque servem como um alerta, mas não representam um dado oficial de desmatamento.

 

Publicidade