PERIGO

Baixa umidade gera alerta em quase metade do Brasil

De acordo com relatório do Inmet, os municípios têm enfrentado umidade entre 20% e 30%; o ideal para saúde é de 60%

De acordo com relatório do Inmet, os municípios tem enfrentado umidade entre 20% e 30%; O ideal para saúde é de 60%.
Baixa umidade pode ser prejudicial à saúde – Créditos: Canva

Um recente alerta de baixa umidade do ar emitido pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) aponta que quase metade dos municípios brasileiros enfrenta níveis preocupantes de umidade, variando de 20% a 30%. Este fenômeno tem causado desconforto significativo e aumentado os riscos à saúde pública, principalmente em 387 cidades de 12 estados e no Distrito Federal, onde a situação é considerada de perigo.

Publicidade

De acordo com especialistas, a umidade do ar ideal para manter a saúde e o bem-estar está acima de 60%, conforme recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS). No entanto, a ausência de chuvas nos últimos meses em regiões como o Brasil Central resulta em índices muito inferiores, chegando a 12% em alguns locais.

A baixa umidade afeta diretamente a qualidade de vida das pessoas. Em condições como esta, a população tende a relatar problemas como pele ressecada, garganta irritada e complicações na sinusite devido ao ar seco. Além disso, o clima seco e quente intensifica o risco de incêndios florestais, podendo ainda contribuir para a maior propagação de doenças respiratórias em ambientes fechados.

Estratégias para aliviar os efeitos da baixa umidade

O pneumologista da Santa Casa BH, Michelle Andreata Moura, sugere medidas práticas para aliviar os sintomas causados pelo ar seco. Hidratação constante, uso de soro fisiológico para olhos e nariz, e protetores labiais são essenciais. “A gente precisa hidratar. O olho e o nariz podem ser hidratados com soro fisiológico, e a boca deve lembrar de passar aqueles protetores que têm manteiga de cacau”, afirmou em entrevista à Globo.

Publicidade

Em Belo Horizonte, a montagem de uma estação com bebedouros e nebulizadores tem ajudado a melhorar o ambiente para a população local. Em São Paulo, quando as temperaturas ou sensação térmica atingem 32°C ou mais, são instaladas tendas com distribuição de água, frutas e local para descanso.

As estratégias das prefeituras são para amenizar o desconforto sentido pela população. Para evitar malefícios trazidos pela baixa umidade, é importante manter-se hidratado, utilizar umidificadores em casa e evitar a prática exercícios físicos nos horários mais quentes do dia.

*texto sob supervisão de Tomaz Belluomini

Publicidade

Siga a gente no Google Notícias

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber grátis o Menu Executivo Perfil Brasil, com todo conteúdo, análises e a cobertura mais completa.

Grátis em sua caixa de entrada. Pode cancelar quando quiser.