Racismo na Câmara paulista

CPI em SP é interrompida após frase racista de vereador

Pouco antes de o caso repercutir na imprensa, Camilo Cristófaro (PSB) gravou um vídeo tentando contornar a situação.

Camilo Cristófaro (Crédito: André Bueno/CMSP)

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga empresas de aplicativo na Câmara Municipal de São Paulo teve os trabalhos interrompidos temporariamente nesta terça-feira (3) após o vereador Camilo Cristófaro (PSB) proferir falas racistas. Na ocasião, o microfone do parlamentar vazou dizendo a frase: “varrendo com água na calçada… é coisa de preto, né?”.

Publicidade

Cristófaro não estava presente na Câmara durante a fala, mas participava da sessão de forma remota, através de videoconferência. A imagem dele não apareceu no painel do plenário durante o vazamento do áudio, mas a Mesa que dirigia os trabalhos confirmou que ele já estava plugado e participando da sessão.

Após o ato racista, o presidente da CPI, Adilson Amadeu (União Brasil), suspendeu os trabalhos por cinco minutos para deliberar internamente sobre o impacto da frase. Na retomada dos trabalhos, a vereadora Luana Alves (PSOL), que é negra, declarou que Cristófaro foi “extremamente racista”.

“Infelizmente nós temos a sessão completamente tumultuada por um áudio que tem a voz do vereador Camilo Cristófaro, que acaba de proferir uma frase extremamente racista. Eu queria não acreditar que essa fala existiu, mas infelizmente existiu. Conversamos ali atrás, queria pedir à secretaria da Mesa das notas taquigráficas. Ficará registrado. Ficou acordado que todos aqui são testemunhas para todas as ações que venham a ocorrer se ficar comprovado que é do vereador Camilo Cristófaro, como parece ser”, disse Luana.

Pouco antes de o caso repercutir na imprensa, Cristófaro gravou um vídeo dentro de um galpão de carros e enviou para o grupo dos vereadores da Câmara. No vídeo, ele reconhece o áudio, mas diz que a fala se referia aos carros pretos, “que são f… para lavar”. Cristófaro mostra o chão molhado da loja e diz que se referia ao lugar.

Publicidade

“São 11h20 da manhã e estou fazendo uma gravação aqui. Estou dizendo exatamente que esses carros pretos dão trabalho. Que os carros pretos são f… Estou dizendo aqui que não é fácil para cuidar da pintura. Então, se a vereadora Luana olhou pro outro lado, 70% das pessoas que me acompanham, vereadora, são negros. Então, a senhora não vêm com conversa. Olha só, estão lavando aqui, oh. Estou dizendo que carro preto dá trabalho, que carro preto é f… dão mais trabalho para polir. Se a senhora quer levar para outro lado, pra fazer campanha política, nas minhas costas não vai fazer”.

 

Publicidade