Combate às fake news

“Espero eleições sem interferência de robôs”, diz senador Angelo Coronel

Presidente da CPMI das Fake News no Senado, o senador Ângelo Coronel (PSD-BA) fala sobre os trabalhos da CPMI e dos avanços obtidos, desde as eleições de 2018 até hoje, em termos de combate à desinformação.

Em entrevista exclusiva ao Grupo perfil Brasil, Presidente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito das Fake News no Senado, o senador Ângelo Coronel (PSD-BA), falou sobre os avanços da comissão.

Publicidade

Segundo o senador, a criação da CPMI foi necessária para descobrir quais são os focos da produção em larga escala de notícias falsas para combatê-las.

“Nós vemos a cada dia famílias sendo atingidas por notícias falsas e precisamos dar um basta nisso e descobrir quais são os focos desta indústria de fake news que abala a democracia brasileira. Esta é uma comissão suprapartidária e espero contar com todos os pares para que a gente possa dar essa resposta a nossa sociedade”, afirmou na época.

 

Hoje, fala com orgulho da comissão, que deu origem ao Projeto de Lei 2630 – conhecido como PL das Fake News.

Publicidade

“Fizemos o Projeto de Lei 2630 sobre fake news, que foi aprovado no Senado e esperamos que a câmara vote. Assim, a gente pode inaugurar essa lei que será de grande valia para proteger toda a sociedade”, explica.

O senador foi o convidado do 6º episódio do programa Combate às Fake News, uma parceria do Grupo perfil Brasil com o Facebook. Na entrevista exclusiva ele falou sobre as expectativas quanto ao PL.

“O relatório está previsto para votar neste segundo semestre”, afirma o senador.

Publicidade

Quanto ao pleito deste ano, o senador está esperançoso em relação ao controle das notícias falsas:

“A desinformação é um fenômeno mundial, não é questão só de Brasil. O TSE tem feito boas gestões junto às redes sociais com a polícia federal e  grandes empresas de tecnologia para que a gente tenha eleições limpas, eleições livres de robôs para se chegar a uma vitória. Espero que os candidatos usem artifícios legais e não ilegais para influenciar a mente do eleitor”, sentencia.

 

Publicidade

o programa completo você confere aqui:

http://https://www.youtube.com/watch?v=wiYXcuo2OZU&t=197s

 

Publicidade