Passeio cultural

No Rio, Museu de Imagens do Inconsciente completa 70 anos

Foi aberta a exposição Ocupação Nise da Silveira, parceria com o Itaú Cultural, que estava em São Paulo e chega agora ao Rio de Janeiro.

No Rio, Museu de Imagens do Inconsciente completa 70 anos
(Crédito: Dagoberto Marques/ Divulgação)

Criado pela psiquiatra Nise da Silveira, em 1952, para ser um centro de estudo e pesquisa, o Museu de Imagens do Inconsciente (MII) comemora 70 anos de existência com a inauguração de duas novas exposições simultâneas e gratuitas, que marcam o retorno das atividades do equipamento.

Publicidade

Foi aberta a exposição Ocupação Nise da Silveira, parceria com o Itaú Cultural, que estava em São Paulo e chega agora ao Rio de Janeiro. A mostra presta homenagem à trajetória da psiquiatra que enxergou novas formas de tratamento da saúde mental no Brasil, apresentando os métodos, as referências e os principais conceitos adotados por ela.

A outra mostra, denominada Do asilo ao parque: 70 anos de história, reúne pinturas, desenhos e esculturas produzidos pelos usuários de saúde mental em toda a história do Museu de Imagens do Inconsciente, desde a década de 40 até os dias atuais. As obras foram selecionadas pela curadoria a partir da temática de transformação do espaço do instituto no Parque Urbano Nise da Silveira. A visitação pode ser feita de terça a sábado, das 10h às 16h.

Desconstrução

A diretora do Instituto Municipal Nise da Silveira, Érika Pontes, afirmou que as duas exposições são importantes, principalmente por trazerem arte e cultura à zona norte do Rio de Janeiro, região que tem carência de acesso a esses bens. “O Instituto Municipal Nise da Silveira está se tornando um polo cultural, ligado à saúde mental”.

Segundo Érika, o instituto mantém as portas abertas, mesmo depois do fim dos leitos de internação psiquiátrica. “No dia 26 de outubro de 2021, o último paciente internado em longa permanência no Instituto voltou para a cidade. Foi morar em uma residência terapêutica, um serviço residencial terapêutico”.

Publicidade

Nesses locais, há cuidadores e equipe permanente de assistência. Nos últimos dez anos, 310 pacientes saíram da internação psiquiátrica e retornaram ao convívio social. Para cada um deles, foi feito um trabalho individual de adaptação. Os ex-internos fazem tratamento nos centros de Atenção Psicossocial (CAPs), que têm psiquiatra, assistente social, psicólogo.

“Com isso, a gente conseguiu concretizar a desconstrução do hospital psiquiátrico. O instituto deixa de ser um hospital psiquiátrico e passa a ser um instituto em que a arte, cultura, lazer, esporte passam a ser os nossos instrumentos de tratamento e de cuidado”.

O atendimento ambulatorial permanece sendo feito e inclui oficinas de arte, geração de renda, esporte, dança, um ginásio de lutas marciais, um trabalho com animais que assumem um papel terapêutico no tratamento.

Publicidade

Acervo

O acervo do Museu Imagens do Inconsciente (MII) é considerado patrimônio pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Ele reúne 400 mil obras catalogadas e arquivadas. Suas coleções são tombadas como patrimônio nacional pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Os ateliês terapêuticos permanecem em funcionamento, de forma que a coleção do museu é diariamente acrescida de novos itens. O MII costuma receber pesquisadores, estudantes, artistas do mundo inteiro para conhecer suas obras.

“E a gente espera que a população em geral possa ter acesso a isso. Os muros do antigo hospício foram derrubados. A gente abriu o instituto para a população”, indicou a diretora.

Érika comentou que, apesar de batizar o instituto, o nome de Nise da Silveira tem mais visibilidade no exterior. A médica natural de Alagoas é responsável por uma transformação da psiquiatria no Brasil e foi considerada, recentemente, uma heroína da Pátria pelo trabalho que desenvolveu com os doentes mentais e pelo legado que deixou. Nise da Silveira é considerada pioneira na utilização de tratamentos humanizados para pacientes com transtornos mentais.

Publicidade

Outras atividades

O Espaço Travessia, que também faz parte do Instituto Municipal Nise da Silveira, apresenta até o próximo dia 20 a ocupação artística “Brasil Delivery [a gente só não precariza o sonho]”, que reúne obras de cerca de 90 artistas convidados do subúrbio, da Baixada Fluminense e da América Latina, além de usuários e profissionais da saúde mental. A exposição ocorre nos antigos quartos de enfermarias e está aberta à visitação de segunda a sexta-feira, das 10h às 17h.

No Ponto de Cultura Loucura Suburbana: Engenho, Arte e Folia, que também é a sede do Bloco Carnavalesco Loucura Suburbana, há a exposição permanente de fotos: Fissura no Real, com imagens de desfile da agremiação e dos Bonecos do Germano, que são bonecos gigantes de um bloco típico do Engenho de Dentro que existiu durante décadas e que mobilizava moradores da região. A mostra funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.

O Memorial da Loucura do Engenho de Dentro foi inaugurado em 2021, somando-se aos demais espaços de produção e preservação da memória do Instituto Nise da Silveira. O local possui uma exposição permanente cujo acervo revela as práticas da psiquiatria até a chegada das mudanças que começaram a ser implantadas por Nise da Silveira, com peças, documentos e instrumentos sobre a história do Instituto. O funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.

Publicidade

Instituto

O Instituto Municipal Nise da Silveira faz parte da rede municipal de saúde do Rio de Janeiro. A instituição segue os preceitos da reforma psiquiátrica brasileira. Nas últimas três décadas, o trabalho esteve focado na desconstrução do aparato manicomial, tendo como base as ações de desinstitucionalização e o incremento e incentivo às atividades culturais.