Escândalo do MEC

Pastor envolvido no suposto esquema do MEC entrou 35 vezes no Planalto

As visitas de Arilton acontecem desde 2019, mas a frequência aumentou a partir de 2021.

Pastor envolvido no suposto esquema do MEC entrou 35 vezes no Planalto
Presidente Jair Bolsonaro e ex-Ministro da Educação, Milton Ribeiro, ao lado de “pastores do MEC” (Crédito: Reprodução)

Pastor envolvido nos esquemas do MEC frequentou bastante o Planalto, mesmo sem ter nenhum cargo na pasta. A informação foi divulgada pelo Gabinete de Segurança Institucional  um dia após o próprio GSI negar o acesso do jornal ‘O Globo’ aos registros de entrada no Planalto. A mudança de ideia, segundo o governo, aconteceu após uma “manifestação da Controladoria-Geral da União quanto à necessidade de atender o interesse público”, como está dito no portal de notícias G1.

Publicidade

Publicidade

Os relatórios mostram 27 acessos do pastor Arilton Moura a diferentes salas do Planalto como Casa Civil, Secretaria de Governo, gabinete do vice-presidente Hamilton Mourão e gabinete de quem cuida da agenda oficial do presidente Jair Bolsonaro.  Os registros são datados desde 2019, quando o pastor passou pelo Planalto uma vez. Em 2020, duas. Cinco em 2021 e mais duas em 2022.

No relatório fornecido pela GSI ao G1, constam mais dez visitas do outro pastor envolvido no escândalo: Gilmar dos Santos.

Os pastores são acusados de gerenciar um “balcão de negócios” dentro do MEC, envolvido com a liberação de verbas para educação em diversas cidades do país. As denúncias são feitas por prefeitos dessas cidades.

Publicidade

O escândalo do MEC ganha mais um capítulo, e as apurações estão longe de terminar. Em cenas passadas desta história vimos a exoneração do ex-Ministro da Educação, Milton Ribeiro, e também fotos de Jair Bolsonaro com os pastores, bem como visitas do presidente a igrejas das quais os pastores fazem parte.

 

 

Publicidade