Polícia do Rio combate braço financeiro de organização criminosa

No Rio, a ação acontece no bairro da Penha, na zona norte da capital, nas redondezas da comunidade Kelson’s

A Secretaria de Estado de Polícia Civil do Rio de Janeiro (Sepol) realiza hoje (9) a operação Alba, para desestruturar o braço financeiro da maior facção de tráfico de drogas do estado e desarticular o esquema de compra de drogas e armas. Estão sendo cumpridos 26 mandados de busca e apreensão, além do bloqueio judicial de aproximadamente R$ 76 milhões em contas bancárias e sequestro de bens de alto valor. Os alvos são suspeitos de participar da lavagem de dinheiro.

Publicidade

No Rio, a ação acontece no bairro da Penha, na zona norte da capital, nas redondezas da comunidade Kelson’s. A operação também é realizada no Pará, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná, em conjunto com as polícias civis estaduais.

Um dos alvos é Dalton Luiz Vieira Santana, conhecido como DT. Ele é apontado pelas investigações como chefe da Kelson’s e seria o líder de um esquema de camuflar a entrada do dinheiro do tráfico de drogas no sistema bancário, por meio de contas de terceiros e em quantias fracionadas.

Suspeito de morte

DT também é investigado como principal suspeito da morte da sua ex-namorada, Bianca Lourenço, de 24 anos, em janeiro do ano passado, com requintes de crueldade. Ela teria sido esquartejada e os restos mortais jogados na Baía de Guanabara. O traficante é um dos principais foragidos da Justiça no Portal dos Procurados.

Segundo a polícia, o programa do governo estadual Cidade Integrada, de retomada de territórios, tem contribuído para as investigações contra a facção criminosa que atua no Jacarezinho e está presente em outras comunidades.

Publicidade

A operação é coordenada pelo Departamento-Geral de Combate à Corrupção, ao Crime Organizado e à Lavagem de Dinheiro da Sepol, por meio da Delegacia de Combate às Organizações Criminosas e à Lavagem de Dinheiro. Também participam das ações de hoje o Departamento-Geral de Polícia Especializada, a Coordenadoria de Recursos Especiais e a Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio do projeto Mosaico.

(Agência Brasil)

Publicidade