Vale do Javari

Terceiro suspeito de envolvimento nas mortes de Bruno e Dom é preso no AM

“Pelado da Dinha” teve o mandado de prisão expedido na noite desta sexta-feira (17), pela Justiça do Amazonas. Ele se entregou na delegacia de Atalaia do Norte (AM), nas primeiras horas da manhã deste sábado.

terceiro-suspeito-de-envolvimento-nas-mortes-de-bruno-e-dom-e-preso-no-am
Prisão de Jeferson da Silva Lima, (Créditos: Divulgação/ PC-AM)

Jeferson da Silva Lima, conhecido como “Pelado da Dinha”, foi preso na manhã deste sábado (18). Ele é apontado pela Polícia Federal como terceiro suspeito por envolvimento na morte do jornalista inglês Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira.

Publicidade

“Pelado da Dinha” teve o mandado de prisão expedido na noite desta sexta-feira (17), pela Justiça do Amazonas. Ele se entregou na delegacia de Atalaia do Norte (AM), nas primeiras horas da manhã deste sábado.

De acordo com o portal g1, a Polícia Civil fez buscas para tentar prender o terceiro suspeito no sítio da mãe dele. Mas Jeferson não foi encontrado no local. Os policiais conversaram com a família para o orientarem a se entregar.

O delegado Alex Perez Timóteo afirmou que, segundo as investigações, Jeferson tem participação direta no caso, desde a emboscada até a ocultação dos corpos de Bruno e Dom. “Conforme todas as provas, todos os depoimentos colhidos até o momento, ele estava na cena do crime e participou ativamente do duplo homicídio ocorrido”, disse.

Além de Jeferson, os irmãos Amarildo da Costa Oliveira, conhecido como “Pelado” – que confessou o crime nesta quarta (15) –, e Oseney da Costa de Oliveira também estão presos em Atalaia do Norte, a 1.136 quilômetros de Manaus.

Publicidade

Segundo as investigações, as vítimas teriam sido mortas a tiros e os corpos, esquartejados e enterrados. Nesta sexta-feira (17), a PF confirmou que os restos mortais encontrados são do jornalista inglês Dom Phillips, a partir de análise da arcada dentária. A perícia ainda precisa confirmar a identificação dos restos mortais do indigenista Bruno Araújo Pereira.

 

Publicidade