Crime em Universidade

USP fica sem luz e aluna denuncia ameaça de estupro

A aluna afirmou que em todo trecho que ela percorreu sem luz não havia nenhuma guarda da universidade ou algum policial militar.

usp-fica-sem-luz-e-aluna-denuncia-ameaca-de-estupro
A Universidade de São Paulo (USP) repudia esse tipo de ocorrência (Crédito: Canva)

Parte da Cidade Universitária da USP (Universidade de São Paulo) ficou sem energia durante a manhã do último domingo (8) e a manhã dessa segunda-feira (9). Uma aluna relatou nas redes sociais que nesse período sofreu uma ameaça de estupro no início da noite de domingo.

Publicidade

A estudante de Astronomia e moradora do Conjunto Residencial da USP (Crusp) disse em suas redes sociais que por conta da falta de energia o Bandejão, onde os moradores do Conjunto Residencial costuma se alimentar, não abriu. Com isso ela decidiu seguir para Instituto de Astronomia e Geociências (IAG) para trabalhar, comer algo e carregar o celular. Quando ela saiu do Instituto, seguiu destino para casa e sentiu uma pessoa se aproximando.

Um homem apareceu e assediou verbalmente a estudante dizendo para “aproveitarem o escuro, que ninguém ia ver”. Dessa forma, a menina correu em direção à Praça do Relógio, que fica em frente ao Crusp e conseguiu escapar. “Não consegui ver nenhuma característica do homem, estava muito escuro. […] Só consigo lembrar da sua voz”.

De acordo com a aluna em todo trecho que ela percorreu sem luz não havia nenhuma guarda da universidade ou policial militar. Procurada pela CNN, a USP afirmou por meio de nota, “a Pró-Reitoria de Inclusão e Pertencimento e a Superintendência de Prevenção e Proteção Universitária estão em contato com a estudante para averiguar o caso”.

A pró-reitora Ana Lúcia Duarte Lanna disse que a USP repudia esse tipo de ocorrência no campus. “Tomamos ciência do episódio e repudiamos veementemente esse tipo de ocorrência no campus. Com a nova Pró-Reitoria de Inclusão e Pertencimento, nosso objetivo é implementar melhorias nas ações que garantam a integridade física e psicológica dos alunos”. Já a prefeita do campus, Raquel Rolnik acrescentou que o sistema de proteção será aperfeiçoado. “Estamos empenhados em adotar as medidas necessárias para que isto não ocorra mais, aperfeiçoando nossos sistemas de comunicação e proteção”.

Publicidade