Como recuperar os prejuízos pós-pandemia na educação infantil

Especialista aponta métodos para recuperar o retrocesso na evolução educacional

Como recuperar os prejuízos pós-pandemia na educação infantil
(Crédito: Canva Fotos)

A pandemia de Covid-19 gerou impactos sociais, econômicos, culturais no mundo todo, mas aqui no Brasil os prejuízos foram muito maiores na educação infantil.

Publicidade

Segundo Cesar Guimarães, especialista em educação na área de matemática e CEO da MMP – Materiais Pedagógicos, “levar o ensino online para as crianças em séries iniciais e até para os mais avançados foi muito difícil. Por mais que os professores se dedicassem em apresentar algo legal durante as aulas, o resultado em muitos casos foi desastroso. O resultado foi a regressão da aprendizagem e as maiores diferenças na escala de proficiência verificadas em Matemática, que estima que serão necessários de 1 a 11 anos para recuperar o aprendizado perdido durante a pandemia”.

Mas, o que podemos fazer diante deste cenário e dessa dificuldade que apareceu para todo mundo? “Como pai, também passei por esse desafio com a minha filha, e o que eu falo é o mesmo que fazemos com a nossa empresa. A gente não deixa o nosso dia a dia, os nossos negócios. Temos que reagir! Buscar referências, mentores, pessoas que tiveram sucesso e se inspirar nos casos delas”, explica Cesar Guimarães.

Na área da educação infantil, principalmente na matemática, a sua mentora é a Maria Montessori, criadora do “Método Montessori” – uma metodologia revolucionária que mudou totalmente a forma do aprendizado e auxilia na recuperação de alguns prejuízos no aprendizado. Nele a criança manipula um material concreto e auto corrigível, enquanto ela brinca, ela já observa suas soluções e o próprio material já mostra se está certo o raciocínio ou não. O próprio aluno quando está manipulando, já adquire a segurança necessária para avaliar se está correto. Dessa forma ele ganha autoestima e se vê livre da validação e dependência emocional de ficar perguntando para um adulto ou professor.

Uma das bases do Método Montessori é pedir para a criança fazer alguma coisa e se ela se sente capaz de fazer, não a ajude. Deixe que ela tente sozinha. “Muitas vezes a gente vê uma dificuldade no aluno ou em nossos filhos e logo queremos dar uma “ajudinha”, mas quando fazemos isso acabamos tirando a autonomia dela. O recomendado é evitar isso, deixar a criança conseguir fazer as atividades sozinha e oferecer ferramentas para que ela desenvolva essa autonomia”.

Publicidade

O especialista conta que outra referência desse desenvolvimento é o Cingapura, um sistema de ensino muito eficiente, principalmente na área de matemática. Cesar afirma que usar essas referências é a melhor forma de recuperar esses anos perdidos no ensino da matemática.

Publicidade