GOLPE BIZARRO

700 pessoas caem em ‘golpe da cidadania’ que criou país falso na Antártica

Quadrilha criou até embaixada falsa para o país na Itália para dar credibilidade.

O país falso se apresentava como uma ilha soberana no continente antártico. (Créditos: Mario Tama/Getty Images)

Mais de 700 pessoas na Itália foram enganadas por um golpe um tanto quanto inusual envolvendo promessas de cidadania em um país falso na Antártica. A tal nação se chamaria ‘Estado Teocrático Antártico de San Giorgio.’

Publicidade

O ‘país’ tinha até uma embaixada falsa na região de Catanzaro, onde um prédio funcionava como abrigo para os ‘diplomatas’.

Para convencer as pessoas do golpe, o falso Estado Teocrático Antártico de San Giorgio se apresentava como um país paradisíaco. Eram prometidos financiamento de projetos, liberdade de circulação por vários países e a isenção para a vacina de Covid-19.

Um Chefe de Estado, Tribunais de Justiça e até um jornal oficial do ‘país’ foram criados para dar credibilidade ao esquema. Na página do Facebook, os criminosos publicavam informações e regulamentos e incentivavam os italianos a tirarem sua cidadania.

Para incrementar ainda mais o golpe, foi criada uma ‘história’ do país falsa, que conta que ele foi criado sobre uma ilha autônoma após o Tratado da Antártida de 1959, documento este de fato real.

Publicidade

A polícia italiana lançou a operação ‘Ilha que não existe’ para investigar o caso e já prendeu 12 suspeitos envolvidos com o caso. Dentre eles, um ex-general da polícia fiscal da Itália e um ex-subtenente de uma força policial paramilitar foram levados em prisão domiciliar.

A quadrilha cobrava de 200 a 1.000 euros por vítima para emitir a ‘nacionalidade.’

Publicidade