A guerra da conectividade

Em vez de eliminar as tensões entre os países, a conectividade oferece novos meios de competir e entrar em conflito. Não é de admirar que a linha entre guerra e paz esteja cada vez mais tênue

A guerra da conectividade
Membros do exército polonês permanecem em uma base temporária instalada não muito longe da fronteira com a Bielo-Rússia em 13 de novembro de 2021 perto de Siemianowka, Polônia (Crédito: Sean Gallup/ Getty Images)

Muitos observadores há muito presumem que o futuro da geopolítica será decidido em uma batalha marítima no estreito de Taiwan ou em algum afloramento rochoso ou atol no Mar da China Meridional, e assim começa a guerra da conectividade. No entanto, provavelmente podemos aprender mais examinando o tratamento de alguns milhares de refugiados desesperados nos remansos geopolíticos do século 21.

Publicidade

Vamos começar com o Canal da Mancha

Este lugar que no passado foi palco de alguns dos confrontos mais dramáticos da história (para citar alguns: os travados pela Armada Espanhola, as Guerras Napoleônicas e mesmo o Desembarque na Normandia), não é mais o teatro em que a política se desenvolve entre as grandes potências. Em vez disso, a recente morte de 27 civis cujo barco inflável virou após deixar a costa francesa transformou este canal em um local de tragédia humanitária.

Em vez de trabalhar em conjunto e em solidariedade com a França para erradicar os traficantes de migrantes, responsáveis ​​pelas mortes mencionadas, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson imediatamente procurou fazer seu discurso com o objetivo de influenciar os espíritos de um público político nacional, como culpou os franceses pelo ocorrido em uma carta aberta postada no Twitter. Longe de ser apenas mais uma manobra política imatura, a falta de liderança de Johnson provavelmente terá consequências terríveis e de longo alcance.

Como o presidente francês deve enfrentar as eleições de reeleição na próxima primavera, e com uma campanha eleitoral em vista na qual a migração será uma questão delicada, Emmanuel Macron rejeitou a grosseria de Johnson e retirou o convite que havia sido feito. Ao Ministro do Interior britânico para aceitar participar de uma reunião de Ministros do Interior da Europa em Calais. Devido à falta de confiança de ambos os lados do canal, cada governo acredita que o outro está usando o conflito como parte de um jogo de poder mais amplo que se estende ao comércio, defesa e política externa.

A migração tornou-se uma bola de futebol política na Europa Ocidental, enquanto em uma faixa escura de terra entre a Bielo-Rússia e a Polônia a migração tornou-se totalmente uma arma. Bielorrússia é um destino que não é popular para viajantes do Oriente Médio, mas este é um país que tem transportado migrantes do Iraque, Afeganistão e Síria e, em seguida, encaminhado para a fronteira com a promessa de que conseguirão ingressar a União Europeia. O motivo do presidente bielorrusso Aleksandr Lukashenko para essas ações é claro: pressionar os governos europeus a relaxar as sanções impostas ao seu regime após as eleições presidenciais fraudulentas do ano passado, sanções que foram endurecidas depois que Lukashenko foi forçado a pousar. Um avião comercial em seu país com o propósito de prender um de seus passageiros.

Publicidade

Lukashenko não tem ilusões de que alguns milhares de migrantes são suficientes para dominar a Polônia, ou mesmo a Lituânia. Em vez disso, ele entende que o campo de batalha mais importante hoje são as mentes das pessoas, não o território. Com o objetivo de recriar imagens da crise migratória da UE em 2015, o uso de migrantes por Lukashenko é, em última análise, um ato dentro de uma guerra de informação.

A cientista política Kelly M. Greenhill mostrou que Lukashenko está longe de ser o primeiro a transformar os migrantes em uma ferramenta de política governamental. Ela documenta mais de 75 ocasiões em que governos, incluindo os de Marrocos, Rússia, Líbia e Turquia, forçaram civis a deixar suas casas (ou os encorajaram a fugir) para atingir algum objetivo político, militar ou econômico. O armamento da migração tornou-se um complemento frequente a outras formas de pressão, como sanções, guerras cibernéticas e guerras de informação, bem como políticas de comércio e infraestrutura.

Neste contexto, tanto a campanha da Bielorrússia como a luta no Canal da Mancha são sintomáticas de um ambiente de política externa em mudança, um ambiente em que as guerras estão a ser substituídas por novas formas de agressão. Conexões entre pessoas e países são as novas moedas preferidas no jogo pelo poder.

Publicidade

O teórico militar Carl von Clausewitz descreveu a guerra como a continuação da política por outros meios. Mas em uma era nuclear, a guerra costuma ser uma opção incomensurável, então a política global teve que continuar por outros meios; Eu chamo essas mídias de “conflitos de conectividade”. Os governos estão manipulando exatamente as coisas que unem os países: cadeias de suprimentos, fluxos financeiros, deslocamento de pessoas, pandemias, mudanças climáticas e, acima de tudo, a Internet.

Enquanto a pandemia de coronavírus coloca toda a humanidade contra uma única doença contagiosa, outra pandemia está sendo deliberadamente espalhada pelas sombras. Os comportamentos tóxicos estão se tornando contagiosos à medida que os líderes nacionais respondem à conectividade como uma arma fazendo o mesmo, isto é, agindo reciprocamente.

A espiral descendente resultante será difícil de reverter, pois os conflitos de conectividade tendem a se desdobrar sob uma nuvem de hipocrisia e negação plausível. Lukashenko pode argumentar, embora não seja convincente, que os imigrantes do Oriente Médio viajaram para a Bielo-Rússia por vontade própria. Do mesmo modo, a UE pode alegar que a sua decisão de suspender a certificação do gasoduto Nord Stream 2, que liga a Alemanha diretamente ao abastecimento de gás russo, foi tomada por razões processuais que nada têm a ver com razões políticas.

Publicidade

A natureza informal de tais conflitos torna difícil descobrir as razões pelas quais certas decisões foram tomadas. Os governos e as empresas ainda não encontraram as estruturas certas para avaliar as opções que eles próprios optaram por adotar. Por exemplo, quando se trata de decisões sobre migração, como um governo deve priorizar o direito internacional, a segurança dos seres humanos e sua própria influência? As políticas comerciais são destinadas a aumentar os lucros ou aumentar o poder nacional? As políticas comerciais devem ter como objetivo minimizar o custo para o consumidor no curto prazo, ou proteger os produtores locais da concorrência desleal, dando aos consumidores uma maior variedade de opções de longo prazo?

Em vez de eliminar as tensões entre os países, a conectividade oferece novos meios de competir e entrar em conflito. Não é de admirar que a linha entre guerra e paz esteja cada vez mais tênue. Foi-se o mundo de Tolstói, onde períodos alternados de conflito aberto e harmonia foram claramente delineados. Entramos em uma era de conflito perpétuo, em que a maioria dos combatentes e quase todas as vítimas serão civis. Entramos na era a que me refiro como “a era sem paz”, na qual os infelizes da Terra se tornaram artefatos de artilharia involuntários.

*Por Mark Leonard – Diretor do Conselho Europeu de Relações Internacionais. Copyright Project-Syndicate.

Publicidade

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.