Opinião

A política do efêmero

*Por Jaime Duran Barba – Professor da GWU. Membro do Clube Político Argentino.

A política do efêmero
“A distância entre ex-políticos e eleitores contemporâneos tornou-se um abismo.” (Crédito: Canva Fotos)

A sociedade atual está se afastando cada vez mais dos ideais e ritos de poder, dos intelectuais e políticos do século XX. As elites, mais os políticos do que os empresários, são resistentes à mudança. Aparecem líderes que entendem a nova era, mas outros vivem no passado, defendendo ideologias extintas, o aparato e a história secular de partidos que desapareceram da rede. Muitos deles usam as ferramentas de trabalho contemporâneas da máquina de escrever e se surpreendem quando os líderes que vivem na sociedade digital os derrotam.

Publicidade

Durante este fim de semana, ocorreu em Washington o seminário anual da “Graduate School of Political Management”, reunindo consultores e políticos de todo o continente para analisar o que está acontecendo nos últimos processos eleitorais no continente. Particularmente interessantes foram as apresentações de Sebastián Kraljevich e Yehonatan Abelson, estrategistas de Daniel Boric no Chile, e de Santiago Nieto, no segundo turno da campanha presidencial de Guillermo Lasso no Equador. Esse último é professor fundador do nosso curso de pós-graduação, trabalhou com graduados universitários, colegas de estrategistas do presidente chileno.

Apresentações interessantes sobre a situação política no México também foram feitas por Roy Campos e Rafael Reyes Arce, dois consultores que estão próximos da faculdade desde o início de suas atividades há várias décadas. Sentimos falta da presença de um consultor latino como o que nos deixou, Manuel Mora y Araujo, fundador da cadeira de Metodologia de Pesquisa.

No seminário, lançamos nosso novo livro, The New Society, exatamente vinte anos depois de apresentarmos o texto conjunto com Joseph Napolitan, Cem Passos para o Poder, quando o colégio dava seus primeiros passos.

Para aqueles de nós que colaboramos com o corpo docente desde sua fundação, é gratificante ver que os esforços de tantas décadas dão frutos com centenas de políticos e consultores competentes que foram treinados em nosso instituto.

Publicidade

“A distância entre ex-políticos e eleitores contemporâneos tornou-se um abismo.”

Ideologias

Como é e deve ser em uma universidade séria, há entre professores e alunos pessoas das mais variadas ideologias. Nossa tarefa não é difundir crenças de qualquer tipo, mas analisar como funciona a política, para que consultores e políticos usem as ferramentas mais modernas para lutar por seus objetivos. Não é nosso problema que todos sejam budistas, agnósticos, hamish, FMI ou trotskistas. O treinamento que o corpo docente lhe dá a ajuda para lutar melhor pelo que acredita.

A formação de nossos graduados tenta superar a política primitiva de quem trabalha guiado por intuições e atos de fé. O uso sistemático e profissional de pesquisa quantitativa e qualitativa, elaboração de estratégias e estudo da realidade mutável dos eleitores permite que nossos graduados derrotem frequentemente os traficantes de mitos e os traficantes de fumaça.

Publicidade

A distância entre ex-políticos e eleitores contemporâneos tornou-se um abismo. A conversa dos políticos anacrônicos está longe do povo, eles se dedicam a cultivar seu ego, satisfazendo ressentimentos e disputas paroquiais, enquanto o povo sofre as tensões típicas da terceira revolução industrial, a maior transformação da história da humanidade.

A obsolescência dos líderes pode ser medida pelo número de vezes que eles se mencionam nas entrevistas. Eu, eu, eu, que trouxe provisões para o exército dos Andes, que fundou a república, que exigi a retirada dos Estados Unidos do Vietnã, ou espero uma nova ofensiva do Tet, que atuava em um partido operário quando o proletariado de Marx, ou me dedico a lutar contra os bolcheviques quando nem eles nem os mencheviques existem.

As teorias globais foram esmagadas pelos escombros do Muro de Berlim, e aqueles que as discutem parecem solenemente banais. Prevalece a força do cotidiano, do concreto, dos sentimentos que movem a maioria, o que Finkelkraut e Bruckner chamaram de aventura ao virar da esquina.

Publicidade

Os cidadãos estão pouco interessados ​​nos assuntos públicos, predomina a falta de motivação e a indiferença em relação às velhas formas de política. Há um preconceito injusto que desqualifica todos os políticos, quando na realidade, em todos os países, também há excelentes pessoas que fazem política para servir a sociedade.

Os eleitores se comportam cada vez mais como consumidores do espetáculo político, mas da era da rede. Como diz Clay Shirky em seu texto “Cognitive Surplus: How Technology Makes Consumers into Collaborators”, eles não são passivos atualmente, todos querem ser sujeitos ativos em todas as esferas da vida e também na política.

Aqui e agora

O colapso das teorias globais levou os indivíduos a desenvolver uma intensa relação com seu metro quadrado, a assumir que certos aspectos fragmentados da realidade são a “única coisa importante”. Grupos que lutam por visões parciais de vida multiplicadas, terraplanistas, ambientalistas, feministas, defensores das sexualidades alternativas, aqueles que acreditam em alienígenas antigos e militantes de visões conspiratórias do mundo, que acreditam que forças mágicas os perseguem porque defendem uma verdade esotérica .

Publicidade

O caos aumenta: até alguns anos atrás, havia uma tendência a acreditar que tudo ia e vinha em algum lugar, do ponto alfa ao ponto ômega de Teilhard de Chardin, ou do comunismo primitivo ao comunismo final de Althusser. A teleologia descreveu como “secundárias” as contradições que não eram centrais para as grandes visões de mundo religiosas ou políticas. Algumas elites impuseram seus mitos ou interesses como “a única coisa importante” e a maioria acreditou neles.

Mas tudo se complicou. Nossa linhagem confusa de Homo sapiens, cruzada com neandertais e demisovos, apagou a possibilidade de que um paraíso e o pecado original tenham existido. O efêmero e o casual prevaleceram.

Alguns acreditam que devemos superar a política frívola em que caímos, para que as pessoas voltem a participar de uma política “séria”, vivendo Lênin ou Cristo Rei, mas isso é impossível. O tempo que passamos jogando e buscando prazer está crescendo exponencialmente. Meus companheiros do filósofo jesuíta que se flagelavam e usavam cilícios hoje acabariam em um asilo para doentes mentais.

“Todas as democracias acusadas de serem frívolas podem enfrentar o futuro.”

Utopias

As teorias globalizantes revelaram seus fios banais na sociedade da informação, enquanto as pequenas utopias de pessoas conectadas por meio de redes ganharam força. Os líderes arcaicos se irritam com a política superficial que eles mesmos promoviam com a insuportável leveza de suas atitudes.

Aparecem lideranças que pretendem resgatar a velha política, convocando os jovens para as ruas porque Anónimo foi nomeado líder da maioria de seus vereadores em Pelotihué, mas isso não empolga ninguém. Os jovens tornaram-se superficiais, não apreciam o feito de Anónimo, preocupam-se com coisas inconsequentes como a vida do planeta ou a luta contra a discriminação.

Em algum país, um presidente que lutou contra a corrupção do Congresso sofreu impeachment. Pouco depois, ele pediu ao partido que promoveu sua demissão que lhe concedesse um espaço para ser deputado para escapar das causas de corrupção que estavam surgindo em seu caminho. Ele fez isso para defender os princípios da democracia. Os eleitores podem ser culpados por não acreditarem na política?

Democracias acusadas de frívolas podem enfrentar o futuro e contar com novos recursos, especialmente seres humanos que integraram a legitimidade da mudança em sua visão de vida e são impermeáveis ​​às visões maniqueístas-revolucionárias do mundo. O espírito de empreendimento e eficiência substituiu o feitiço profético.

Ao contrário da crença de que a falta de transcendência mataria as democracias, estas se tornam mais estáveis ​​quanto mais avançam os efêmeros, o que fortalece a alteridade e o pluralismo. Aqueles que gostariam que um Estado unificasse as pessoas pela força, como fizeram os nazistas e os comunistas, tornam-se apenas mais uma fração da multidão de grupos que habitam a nova sociedade.

O futuro não surgirá de repente, sem tensões. Os mitos irracionais continuarão existindo com novas caras, mas a modernidade conquistou um espaço que torna o progresso inevitável no médio prazo.

Os reacionários temem a incerteza produzida pelo mapa cósmico de micro-ondas. É mais confortável acreditar que as dez verdades da festa serão eternas e não se colocar em um cosmos que começou há 13 bilhões de anos e caminha para seu esfriamento final.

Mas a incerteza do universo só pode ser vivida com alegria a partir da compreensão do lazer, da transitoriedade das imagens, da sedução das mídias alternativas que se submetem à razão.

A independência dos indivíduos cresce à medida que avança o império da desapropriação burocrática. Quanto mais a sedução frívola cresce, mais as Luzes avançam, ainda que de forma ambivalente. Precisamos dar uma nova interpretação à era do consumo e da comunicação inconsequentes, caricaturados ao delírio por aqueles que o desprezam, tanto da direita quanto da esquerda.

Desde a Segunda Guerra Mundial, os aumentos do PIB, do nível educacional e da expectativa de vida obrigaram o mundo industrializado a lidar com algo novo: o tempo livre e as brincadeiras, atividades nas quais a população se dedica mais do que à oração.

Para entender a política, Marx e Weber são obsoletos. Precisamos analisar os textos de uma série de pessoas que refletem sobre o comportamento humano usando as ferramentas mais recentes: Clay Shirky, em Cognitive Surplus: Creativity and Generosity in a Connected Age, e em Here Comes Everybody; Malcom Gladwell; Steven Pinker; Jeremy Heimans e Henry Timms; Alex Pentland e outros, que não fingem ser eternos, mas ajudam a entender o momento.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.