Afegãos discordam de Biden sobre fundos congelados

“É um ato cruel e uma traição”, disse um lojista sobre a decisão da Casa Branca de basicamente confiscar fundos detidos pelo banco central afegão

afegaos-discordam-de-biden-sobre-fundos-congelados
Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden (Crédito: Spencer Platt/Getty Images)

Muitos afegãos disseram estar indignados com a decisão do governo Biden de desviar bilhões em ativos congelados do banco central afegão para famílias americanas de vítimas do 11 de setembro, à medida que o Afeganistão se aprofunda na catástrofe econômica.

Publicidade

A medida, que efetivamente levaria à falência o banco central do país, aumenta a crescente animosidade que muitos afegãos sentem em relação aos Estados Unidos desde a retirada das tropas que abriu caminho para a tomada do país pelo Talibã em agosto.

“É um ato cruel e uma traição aos direitos do povo afegão”, disse Fazl Ahmad, lojista em Cabul, a capital, no sábado. “Está claro que a má situação econômica agora se deve às restrições econômicas dos EUA no Afeganistão.”

Depois que o Talibã assumiu o poder, o governo Biden congelou os cerca de US$ 7 bilhões em ativos do banco central que o agora extinto governo apoiado pelo Ocidente tinha depositado no Federal Reserve Bank em Nova York, em meio à incerteza sobre quem se é que alguém agora tinha o poder. autoridade legal para obter acesso à conta.

Na sexta-feira, o governo Biden iniciou um processo destinado a permitir que parentes de vítimas dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 que têm reivindicações legais contra o Talibã busquem US$ 3,5 bilhões desses ativos. O Talibã abrigou líderes da Al-Qaeda que planejaram os ataques de 11 de setembro durante o governo anterior do Talibã no Afeganistão.

Publicidade

A Casa Branca disse que uma quantia aproximadamente igual seria destinada à ajuda humanitária ao Afeganistão, que enfrenta uma das piores catástrofes humanitárias do mundo. Em um comunicado, disse que a medida foi “projetada para fornecer um caminho para que os fundos cheguem ao povo do Afeganistão, mantendo-os fora das mãos do Talibã e de atores maliciosos”.

Mas para muitos afegãos, a decisão de colocar metade dos ativos nas mãos dos americanos amplificou as frustrações sobre o domínio que os Estados Unidos têm exercido sobre o sistema financeiro do país desde que retiraram suas tropas.

Durante meses, a economia afegã esteve à beira do desastre. Os milhões de dólares em ajuda que sustentavam o governo apoiado pelo Ocidente se foram, e as sanções americanas paralisaram o sistema bancário e impediram a capacidade das organizações humanitárias de fornecer ajuda.

Publicidade

À medida que a crise humanitária piora, as autoridades americanas enfrentam questões difíceis sobre como cumprir suas obrigações para com os afegãos sofredores sem colocar dinheiro nas mãos do Talibã.

Mas os afegãos dizem cada vez mais que as políticas dos EUA fizeram pouco para punir o Talibã, ao mesmo tempo em que cobram um preço devastador para milhões de pessoas comuns.

“Os americanos consideram isso punir o Talibã, mas está punindo os afegãos”, disse Mohammadullah Khan, 45, da província de Helmand, em resposta ao anúncio da Casa Branca na sexta-feira.

Publicidade

Sob o governo apoiado pelo Ocidente, Khan trabalhou para uma organização sem fins lucrativos financiada pelos americanos na província do sul. Mas depois que o Talibã tomou o poder, seu financiamento desapareceu assim como o trabalho de Khan. Seis meses depois, ele ainda está desempregado e luta para comprar comida para sua esposa e seis filhos.

O Sr. Khan é um dos milhões de afegãos com armários vazios. Três quartos da população do Afeganistão mergulhou na pobreza aguda, com 4,7 milhões de pessoas provavelmente sofrendo desnutrição grave este ano, de acordo com as Nações Unidas.

“A vida está piorando a cada dia”, disse Haji Abdul Nafi, 40, lojista da cidade de Kandahar. “Não podemos ganhar dinheiro para viver, não podemos fazer negócios com outros países, não podemos importar e exportar mercadorias, estamos quase isolados do mundo.”

Publicidade

Nafi disse estar consternado com o anúncio dos Estados Unidos na sexta-feira. Se as autoridades americanas temem que liberar os fundos para o banco central resultaria no enriquecimento do Talibã, então os ativos deveriam ter permanecido congelados em vez de serem realocados, disse ele.

“Este é o nosso dinheiro, isso não pertence ao Talibã”, disse Nafi. Doar bilhões para as famílias das vítimas do 11 de setembro “destruiria os corações de milhões de pessoas comuns no Afeganistão”, disse ele.

No sábado, o banco central afegão, conhecido como Da Afeganistão Bank, exigiu em comunicado que o governo Biden reverte sua decisão. Alguns oficiais do Talibã foram mais longe ao condenar a medida.

“O dinheiro congelado pelos Estados Unidos é direito do povo afegão, e vamos lutar para acertar como fizemos nos últimos 20 anos”, disse o porta-voz da polícia de Cabul, Khalid Zadran, no Twitter.

A decisão da Casa Branca atraiu críticas de grupos de direitos humanos, advogados e especialistas financeiros que alertaram que a medida poderia destruir o banco central do país nos próximos anos, prejudicando sua capacidade de estabelecer política monetária e gerenciar o balanço de pagamentos do país.

Especialistas também disseram que os US$ 3,5 bilhões reservados para assistência humanitária não serviriam de nada a menos que os Estados Unidos suspendessem as restrições ao sistema bancário afegão que obstruíram o fluxo de ajuda para o país.

“A decisão criaria um precedente problemático para comandar riqueza soberana e faria pouco para lidar com os fatores subjacentes que impulsionam a enorme crise humanitária do Afeganistão”, disse John Sifton, diretor de defesa da Ásia da Human Rights Watch, em comunicado.

Especialistas também alertam que a ajuda só pode ir tão longe para reviver uma economia em colapso.

Em seu escritório em Mandawi Bazaar, um dos mercados mais antigos de Cabul, Aqa Gul expressou consternação no sábado (12). Proprietário de uma empresa de importação e exportação, ele disse que seus negócios foram prejudicados pelo colapso do sistema bancário, que ele atribuiu às políticas americanas.

“O povo do Afeganistão já está em uma situação econômica muito ruim”, disse ele. “Se os Estados Unidos derem os ativos do Afeganistão a outros, a economia só vai piorar.”

O secretário-general das Nações Unidas compartilhou em seu Twitter sobre a situação do Afeganistão. “As pessoas no Afeganistão enfrentam uma das crises humanitárias que mais crescem no mundo. Temos planos para alcançar mais de 22 milhões de pessoas necessitadas, mas recebemos apenas 9% dos fundos necessários. Exorto a comunidade internacional a apoiar nossos esforços antes que seja tarde demais.”

*Por – Christina Goldbaum, Safiullah Padshah and Taimoor Shah — The New York Times

*Contribuição – Christina Goldbaum e Safiullah Padshah relataram de Cabul, e Taimoor Shah de Kandahar, Afeganistão. Yaqoob Akbary contribuiu com reportagem de Cabul.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil