Alemanha registra mais de 50 mil novos casos de Covid pela 1ª vez na pandemia

Onda de infecções é associada particularmente à taxa de vacinação abaixo do esperado entre a população do país

A política internacional da pós-pandemia
(Créditos: Canva Fotos)

A Alemanha registrou nesta quinta-feira (11) o maior número de casos de infecções diárias de Covid-19 desde o início da pandemia, com 50.196 novos casos em 24 horas, segundo o instituto de vigilância sanitária Robert Koch.

Publicidade

Esta é a primeira vez desde que a pandemia começou que a Alemanha supera a marca de 50 mil casos de Covid diários. A Alemanha enfrenta atualmente uma onda de contágios que provocou vários recordes de infecções nos últimos dias.

Mas, devido à vacinação, o número de mortes não tem crescido na mesma proporção que o número de casos de Covid na Alemanha durante a pandemia (69% dos alemães receberam ao menos uma dose e 66% estão completamente imunizados).

O Instituto de Vigilância Sanitária Robert Koch também registrou 235 mortes nas últimas 24 horas, patamar ainda muito abaixo do recorde de 1.734 vítimas do vírus, atingido em 19 de janeiro.

O balanço de mortes por Covid-19 nesta quinta-feira na Alemanha foi de 235. A chanceler Angela Merkel afirmou na última quarta-feira (10) que o aumento de casos de Covid desde outubro no país é “dramático”, segundo G1.

Publicidade

A pandemia se propaga novamente de forma acelerada“, lamentou o porta-voz da chefe de Governo, antes de pedir às autoridades regionais, que têm competência na gestão da saúde, que adotem novas medidas para conter a propagação. A pressão também é cada vez maior nos hospitais.

A onda de casos é atribuída particularmente à taxa de vacinação abaixo do esperado entre a população da Alemanha, um pouco inferior a 67%.

Veja abaixo a declaração do ministro da saúde Jens Spahn em suas redes sociais

Publicidade

A vacinação de reforço aumenta significativamente a proteção pessoal contra doenças. Portanto, uma dose adicional de vacinação é recomendada, especialmente para grupos de risco.

Em princípio, é possível para todos os grupos. Israel mostrou que as vacinações de reforço podem ajudar a quebrar uma onda. E a 4ª onda nos atinge com muita força. Na entrevista coletiva federal, enfatizei: O fim da epidemia legal não significa o fim da pandemia.

No momento, estamos enfrentando uma pandemia para os não vacinados. O presidente da RKI, Prof. Lothar Wieler, e o prof. Leif Erik Sander, da Charité, provaram isso com números. A vacinação reduz significativamente o risco de doença e um curso severo. Vacine-se e proteja-se e as pessoas ao seu redor!

Publicidade