MORDE E ASSOPRA?

Blinken reitera oposição dos EUA a cessar-fogo, mas cita apoio às “pausas humanitárias”

O posicionamento do secretário americano causou conflito com os seus parceiros árabes, incluindo aqueles com quem se encontrou em Amã, na capital da Jordânia

Blinken reitera oposição dos EUA a cessar-fogo, mas cita apoio às “pausas humanitárias”
(Crédito Foto: Chuck Kennedy/US Department of State)

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, reforçou a oposição dos Estados Unidos a um cessar-fogo na Faixa Gaza em uma reunião com os principais líderes do Oriente Médio neste sábado (3), em Amã, na Jordânia. Ele afirmou que um acordo agora permitiria que o Hamas se reorganizasse e atacasse Israel novamente.

Publicidade

O posicionamento dos EUA colocou em conflito com os seus parceiros árabes, incluindo aqueles com quem se encontrou em Amã, na capital da Jordânia.

Apesar da resistência ao cessar-fogo, o principal diplomata dos EUA falou novamente sobre o apoio dos EUA às “pausas humanitárias” – um conceito que foi rejeitado pelas autoridades israelenses.

Blinken disse que ele e os seus homólogos “todos concordaram sobre a importância de usar a nossa respectiva influência e capacidades para dissuadir qualquer ator estatal ou não estatal de abrir outra frente neste conflito”.

“Ao longo deste conflito, os países do Oriente Médio e de outros lugares desempenharam um papel essencial na prevenção da sua propagação”, disse Blinken em uma conferência de imprensa em Amã.

Publicidade

Os EUA alertaram repetidamente outros inimigos de Israel – incluindo o Hezbollah, que manifestou apoio ao Hamas e trocou tiros com tropas israelenses na fronteira com o Líbano, mas não interveio diretamente em nome do grupo radical islâmico – para não alargarem o conflito a uma guerra mais ampla no Oriente Médio.

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber grátis o Menu Executivo Perfil Brasil, com todo conteúdo, análises e a cobertura mais completa.

Grátis em sua caixa de entrada. Pode cancelar quando quiser.