Crise no Reino Unido

Boris Johnson deve renunciar à liderança do Partido Conservador em pronunciamento nesta quinta

O anúncio do primeiro-ministro se dá em meio a escândalos. Mais de 50 integrantes de seu governo renunciaram seus cargos coletivamente.

boris-johnson-deve-renunciar-a-lideranca-do-partido-conservador-em-pronunciamento-nesta-quinta
Boris Johnson (Créditos: Getty Images)

Boris Johnson deve renunciar à liderança do Partido Conservador nesta quinta-feira (7), de acordo com fontes do governo britânico. Uma porta-voz do gabinete de Johnson disse que “o primeiro-ministro fará uma declaração à nação hoje”.

Publicidade

Com essa possível decisão, Johnson deve permanecer no cargo de primeiro-ministro, até que seu partido defina um novo líder, o que deve acontecer em conferência prevista para o início de outubro, segundo a CNN. O anúncio do primeiro-ministro se dá em meio a escândalos e crise. Mais de 50 integrantes de seu governo renunciaram seus cargos coletivamente.

Críticas referentes à gestão de Boris Johnson se intensificaram em janeiro deste ano, quando veio à tona a informação de que o premiê havia promovido festas no jardim da residência oficial de Downing Street, em Londres, durante o primeiro lockdown contra a Covid-19.

O líder de oposição do Partido Trabalhista Keir Starmer disse que Johnson não tinha autoridade moral para liderar o país, após as revelações da série de festas em Downing Street. Boris Johnson ocupa o cargo de primeiro-ministro após ter sido eleito em votações internas do Partido Conservador do Reino Unido em julho de 2019, substituindo Theresa May, que havia renunciado ao cargo.

A mais recente causa de instabilidade em seu governo está relacionada ao parlamentar Chris Pincher, que foi demitido na última quinta-feira, após alegações de que Johnson o havia nomeado para seu governo, ainda que soubesse de acusações de má conduta sexual. O premiê nega que sabia de qualquer coisa a respeito da situação.

Publicidade

Na manhã desta terça-feira (5), o ex-funcionário público do Ministério das Relações Exteriores, Simon McDonald, revelou que Johnson havia sido informado pessoalmente sobre o resultado de uma investigação sobre a conduta do ex-membro do governo. Com isso, ao longo do dia, uma série de demissões foram provocadas.