tensão na europa

Finlândia oficializa candidatura à Otan

A medida ainda deve ser ratificada pelo parlamento finlandês.

finlandia-oficializa-candidatura-a-otan
Presidente da Finlândia, Sauli Niinisto (Crédito: Frank Augstein – WPA Pool/Getty Images)

O governo da Finlândia oficializou neste domingo (15) sua candidatura à Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte). A decisão foi anunciada em uma coletiva de imprensa conjunta no domingo com o presidente Sauli Niinistö e a primeira-ministra Sanna Marin.

Publicidade

A medida, que ainda deve ser ratificada pelo parlamento finlandês, ignora as diversas ameaças de retaliação da Rússia e abandona décadas de neutralidade da Finlândia em tempos de guerra.

“Esperamos que o parlamento confirme a decisão de solicitar a adesão à Otan”, disse Marin durante uma entrevista coletiva em Helsinque no domingo. “Durante os próximos dias. Será baseado em um mandato forte, com o Presidente da República. Temos mantido contato próximo com os governos dos Estados membros da Otan e com a própria Otan.”

O ingresso da Finlândia levaria a aliança militar liderada pelos Estados Unidos até a fronteira de 1,3 mil quilômetros do país com a Rússia. Contudo, a medida pode levar meses para ser finalizada, já que as legislaturas de todos os 30 membros atuais devem aprovar novos candidatos.

A entrada da Finlândia na Otan também pode provocar ainda mais tensão no continente europeu, já que o presidente russo, Vladimir Putin, disse a seu colega finlandês Sauli Niinistö que abandonar a neutralidade militar e ingressar no bloco seria um grave “erro”.

Publicidade

No sábado (14), Niinistö ligou para informar Putin sobre as intenções da Finlândia de se juntar ao bloco, dizendo que “as demandas russas no final de 2021 com o objetivo de impedir que os países se juntem à Otan e a invasão massiva da Ucrânia pela Rússia em fevereiro de 2022 alteraram o ambiente de segurança da Finlândia”, segundo a uma declaração do gabinete do presidente finlandês.

Ainda no sábado, a Rússia cortou o fornecimento de eletricidade ao país nórdico alegando problemas no recebimento de pagamentos.

Publicidade