Cansados

G20 cobra a Rússia sobre o fim da guerra na Ucrânia

Secretário de Estado dos EUA culpa a Rússia por aumento de preços de alimentos e combustíveis.

Sergei Lavrov e Anthony blinken lado a lado em montagem
Seguei Lavrov e Anthony Blinken trocaram acusações. (Créditos Sean Gallup/Getty Images; Darrian Traynor/Getty Images)

Em reunião do G20 realizada nesta sexta-feira (8) países ocidentais fizeram cobranças ao Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, sobre o fim da guerra na Ucrânia. Foi o primeiro encontro entre Lavrov e o Secretário de Estado dos Estados Unidos, Anthony Blinken desde o início do conflito.

Publicidade

O encontro das 20 maiores economias do mundo ocorreu na ilha de Bali, na Indonésia. A ministra das relações exteriores da Indonésia, Retno Marsudi, afirmou para seus colegas que é uma responsabilidade coletiva acabar com a guerra o mais cedo possível.

Marsudi fez um apelo em relação aos efeitos econômicos da guerra estarem castigando o mundo logo após uma pandemia. “Como sempre, os países pobres e em desenvolvimento são os mais afetados“, disse a ministra.

Já o Secretário de Estado dos EUA chamou a ação russa na guerra de “injustificável e não provocada”. Blinken reclamou dos preços aumentados dos alimentos e combustíveis ao redor do mundo e acusou a Rússia de ser responsável pela crise.

Aos nossos colegas russos: a Ucrânia não é o seu país. O grão deles não são os grãos de vocês. Por que vocês estão bloqueando os portos? Devem permitir a saída dos grãos“, afirmou Blinken. Serguei Lavrov deixou a sala logo em seguida.

Publicidade

Eles [países ocidentais] não querem negociações, mas a vitória da Ucrânia sobre a Rússia no campo de batalha, então não há nada para falar com o Ocidente“, disse Lavrov para a imprensa russa depois.

Lavrov defendeu que a responsabilidade da crise energética e alimentar era dos Estados Unidos e Europa, no que ele chamou de “um erro político do ocidente”. Além disso, acusou os países que o cobraram no G20 sobre a guerra de não deixarem a Ucrânia avançar em negociações de paz.

 

Publicidade