DANIEL ORTEGA

Igreja Católica presta solidariedade a padres perseguidos na Nicarágua

Bispos no país estão cercados em palácio com polícia os acusando de incentivar revoltas.

Presidente Daniel Ortega já chamou líderes católicos do país de ‘terroristas’. (Créditos: Getty Images/Getty Images)

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, da Igreja Católica, divulgou nesta quinta-feira (18) sua carta de solidariedade aos padres e líderes religiosos perseguidos na Nicarágua. Ex-líderes da América Latina pediram ajuda ao Vaticano.

Publicidade

Neste ano, 3 padres foram presos na Nicarágua, oito estações de rádio católicas foram fechadas, três canais católicos da programação de televisão por assinatura foram removidos pelo governo, uma paróquia foi invadida pela polícia e missionários da ordem Madre Teresa de Calcutá foram expulsos do país.

Além disso, bispos estão cercados no Palácio Episcopal, de onde a polícia local não os deixa sair e os acusa de incentivar revoltas.

Em sua carta de solidariedade, os bispos do Brasil denunciam as perseguições contra seus companheiros católicos cercados pela polícia da Nicarágua.

“Nós, bispos do Brasil, acompanhamos com tristeza e preocupação os acontecimentos que têm marcado a vida da Igreja na Nicarágua. Sentimo-nos profundamente unidos aos irmãos bispos e a todo o povo nicaraguense. Clamamos ao Bom Deus para que a paz e a justiça sejam alcançadas”, escreveu a CNBB.

Publicidade

A presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) encaminhou uma carta na última segunda-feira (15) ao bispo de Jinotega e presidente da Conferência Episcopal de Nicarágua, dom Carlos Enrique Herrera Gutiérrez. “Sentimo-nos profundamente unidos aos irmãos bispos e a todo o povo nicaraguense“, dizia o documento.