deslize

Joe Biden refere-se a si mesmo de “mulher negra” em entrevista de rádio

“Aliás, estou orgulhoso de ser, como disse, o primeiro vice-presidente, a primeira mulher negra… a servir com um presidente negro”, disse Biden durante sua conversa com a WURD de Filadélfia

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, voltou a se envolver em polêmica depois de inadvertidamente se referir a si mesmo como "uma mulher negra", o que foi considerado um novo deslize que alimentou novas dúvidas sobre seu já questionado estado cognitivo.
Joe Biden, presidente dos EUA – Crédito: Getty Images

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, voltou a se envolver em polêmica depois de inadvertidamente se referir a si mesmo como “uma mulher negra”, o que foi considerado um novo deslize que alimentou novas dúvidas sobre seu já questionado estado cognitivo.

Publicidade

O incidente ocorreu após uma entrevista de rádio onde cometeu o deslize, provocando pedidos para que renuncie à sua candidatura à reeleição em 5 de novembro próximo.

“Aliás, estou orgulhoso de ser, como disse, o primeiro vice-presidente, a primeira mulher negra… a servir com um presidente negro”, disse Biden durante sua conversa com a WURD de Filadélfia.

Biden provavelmente quis fazer referência ao seu tempo como vice-presidente de Barack Obama, mas esse deslize foi interpretado como uma “confusão” por parte do presidente, que aparentemente misturou seu próprio histórico com o de Kamala Harris, a primeira mulher negra a ocupar o cargo de vice-presidente nos Estados Unidos.

Além disso, ele se referiu a Ketanji Brown-Jackson como a primeira juíza negra nomeada por ele para a Suprema Corte em 2022. “Orgulhoso de ser parte da primeira mulher negra na Suprema Corte”, disse.

Publicidade

Este novo deslize do presidente americano (ou “gaffe”, como é chamado em inglês) foi amplamente coberto por vários veículos de comunicação, incluindo o New York Times, que destacou o impacto midiático e político de suas declarações.

Publicidade

Casa Branca comenta erro de Biden

Em resposta à controvérsia, o porta-voz Ammar Moussa defendeu as palavras de Biden, argumentando que “foi claro o que o presidente Biden quis dizer ao falar de seu histórico, incluindo um número recorde de nomeações para o tribunal federal”. O porta-voz também criticou a cobertura da mídia, afirmando que “isso não é notícia e os meios de comunicação ultrapassaram o limite do absurdo”.

“Isto é absurdo. Estava muito claro o que o presidente queria dizer. Isso seria considerado um padrão de fala perfeitamente normal para qualquer outra pessoa nos Estados Unidos e certamente tem sido normal para Joe Biden ao longo de toda sua carreira”, disse Moussa no X, citando um artigo jornalístico.

*Leia a matéria completa (em espanhol) em Perfil.com

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber grátis o Menu Executivo Perfil Brasil, com todo conteúdo, análises e a cobertura mais completa.

Grátis em sua caixa de entrada. Pode cancelar quando quiser.