Opinião

Luz e sombras de uma possível divisão ucraniana

*Por Matías Battaglia

Luz e sombras de uma possível divisão ucraniana
Donetsk, Ucrânia (Crédito: Alexey Furman/ Getty Images)

Nos últimos dias, foi afirmado que poderia haver uma solução que inclui a incorporação da Ucrânia na UE, mas não na OTAN. Este resultado, após o esforço militar russo, certamente será compensado com algum ganho territorial (semelhante à Crimeia) ou com uma Constituição com tanto federalismo que as repúblicas pró-Rússia serão, na prática, um país dentro da Ucrânia.

Publicidade

Vamos tentar entender a divisão que aflige a Ucrânia desde 1991, que se soma à clivagem pró-Rússia/Europa, mas muitas vezes é ignorada. Estamos falando da crise urbano-demográfica e produtiva. Olhando para a tendência, notamos que o crescimento populacional-produtivo beneficiou o Centro-Oeste.

Para entender a situação urbana na Ucrânia, esses dados devem ser lembrados: 4 das 5 aglomerações urbanas com mais de 1 milhão de habitantes (2013) estão localizadas perto da área de influência da Rússia. As 5 cidades são: Kiev, Kharkiv, Donetsk, Dnipropetrovsk e Odessa, 1 é controlada pela Rússia, 3 estão sob ameaça e Kiev parece ter resistido à ofensiva. E se olharmos para as 15 maiores aglomerações urbanas na Ucrânia, 7 de 15 estão em áreas pró-Rússia (Oblasts de Donetsk/Luhansk) ou sob controle russo (Sevastopol), e 3 estão sob ameaça: Kharkiv, Dnipropetrovsk e Odessa.

Embora em termos gerais seja uma perda para a Ucrânia, há aspectos que favoreceriam o governo que controla o Centro-Oeste da Ucrânia. Vejamos alguns números de antes do início do conflito (2014); Posteriormente, as estatísticas não puderam ser coletadas de forma eficaz.

Ao analisar as 15 principais aglomerações urbanas, vemos que o crescimento populacional entre 2001 e 2013 é escasso: apenas kyiv teve valores positivos significativos (7,2%); então, as únicas cidades que tiveram valores positivos foram: Ivano-Frankivsk (oeste), Rivne (oeste), Lviv (oeste) e Sebastopol (Crimeia). Por sua vez, as piores quedas demográficas nesse período (entre -14,5 e -5,4%) são de: Górlovka, Kramatorsk, Dnipropetrovsk, Sievierodonetsk, Alchevsk, Luhansk e Donetsk. Apenas um está fora dos Oblasts de Donetsk e Luhansk.

Publicidade

Mais impressionante é que, do total de cidades, 10 das 14 cidades que mais cresceram de 2001 a 2013 foram predominantemente do Oeste/Centro (entre 7% e 21%). Embora a maioria parta do baixo número de habitantes, estabelece uma tendência sobre qual local oferece mais oportunidades de morar.

Isso nos dá um padrão de que a crise reflete um esgotamento urbano-produtivo do lado russo. Foram cidades que cresceram no calor da URSS, mas com as mudanças tecnológicas e a ascensão da Ásia ficaram para trás, pois se baseiam principalmente na metalurgia, mineração e indústria militar longe do estado da arte; o único setor dinâmico é a agricultura na bacia do Mar Negro.

Da mesma forma, quando analisado o fator produtivo, a Ucrânia europeia também apresentou mais dinamismo. Por exemplo, enquanto o valor agregado total dos Oblasts Orientais foi significativo em 2010, pois carregavam o ímpeto do período soviético, entre 2002 e 2010 – em linha com a população – o crescimento do Valor Agregado das cidades do Centro – West superou o resto, com exceção de Sevastopol/Simferopol e Kharkiv. E outros estudos, que analisaram dados de 2003 a 2017, confirmam que o Produto Regional Bruto (PIB) per capita cresceu fortemente em grande parte do Dnieper a oeste, com poucas exceções no resto do país.

Publicidade

Em suma, o Centro-Oeste é a área menos afetada pela guerra e, portanto, está em melhor posição para superar seus efeitos (seguindo a tendência entre 2001-2013). Em particular, este seria o caso se a entrada na UE fosse acordada, uma vez que daria origem a fundos de infraestrutura, podendo replicar o que aconteceu com a Polônia e a República Checa. O resto do país provavelmente receberá mais financiamento chinês do que russo, algo com o qual Moscou terá que conviver.

*Cientista politico. Especialista em Economia e Negócios com Ásia Pacífico e Índia (Untref). Mestre em Relações Internacionais e Negociações (Flacso/Udesa).

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

Publicidade

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.