Assassinato na Amazônia

Mortes de Bruno Pereira e Dom Phillips repercutem na imprensa internacional

A confirmação dos assassinatos gerou comoção na imprensa internacional.

Análise dos assassinatos de Bruno e Dom cabe à Justiça Federal
Dom Phillips e Bruno Pereira (Crédito: Reprodução/ The Guardian)

Amarildo da Costa Oliveira, conhecido como Pelado, confessou o assassinato do indigenista brasileiro Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips, nesta quarta-feira (15). Os profissionais estavam desaparecidos na Amazônia desde 5 de junho. A confirmação dos assassinatos gerou comoção na imprensa internacional.

Publicidade

The Guardian

O “Guardian” era um dos jornais para os quais Dom Phillips colaborava mais frequentemente. Em publicação sobre o caso, o jornal informa que a policia encontrou os corpos de dois homens e cita o chefe de polícia Eduardo Fontes. Além do mais, publicaram, em suas redes sociais, que precisa haver justiça contra o caso. “Deve haver justiça para eles, para suas famílias e para as causas nobres em que acreditavam”, afirma o jornal.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por The Guardian (@guardian)

Publicidade

BBC

“Dom Phillips e Bruno Pereira: suspeito admite ter atirado em par do Amazonas, diz a polícia do Brasil”, é o título da matéria publicada pela BBC. A página internacional deu destaque para o caso.

“O detetive Eduardo Fontes disse que o homem, Amarildo da Costa de Oliveira, levou os investigadores ao local onde os remanescentes de humanos foram cavados. Ele afirmou que a polícia vai trabalhar com a Interpol para confirmar a identidade dos corpos”, conta um trecho da reportagem

Publicidade

The Telegraph

A manchete deste jornal diz que “remanescentes humanos foram encontrados enterrados na Amazônia e que os irmãos confessaram ter matado o jornalista britânico Dom Phillips“.

The Washington Post

O The Post destacou a confissão de Pelado, com o título da reportagem: Homem confessa ter matado jornalista e colega desaparecido, diz polícia”. 

Publicidade

O jornal francês  Le Monde e o norte-americano The New York Times seguiram o mesmo caminho de repercussão, destacando a declaração do pescador.